Steven Spielberg

Steven Spielberg sempre foi um cineasta que soube trafegar com equilíbrio pelo terreno do emocional, mas em Cavalo de Guerra ele errou feio. É, disparadamente, o filme mais maniqueísta do diretor, que parece fazer um esforço hercúleo – e deliberado – para conquistar o espectador. A sequência na fazenda procura caracterizar os personagens como pobres coitados de bom coração e dignos de misericórdia. A cada dez minutos, Spielberg parece levantar uma placa dizendo “aqui você deve chorar”.

Existe a intenção de se criar um épico emocional. Todo sofrimento é catapultado a níveis de dor absoluta. A fotografia exagerada celebra o artificial, o que funciona – e de certa forma metaforiza – perfeitamente o final, sentimentalóide, cujos tons de vermelho evocam …E o Vento Levou. Verdade que boa parte dessa manipulação vem do material original, cujo tom esquemático é inerente, mas o diretor, que sempre soube trabalhar excessos, não nos poupa.

A sequência de desventuras acontece em cascata. A parte “guerra” é mais interessante, explora melhor os cenários, mas continua com suas cenas exageradas e sem ritmo. A única que se salva é aquela em que o cavalo fica preso no arame farpado. Aí Spielberg sai do esconderijo e faz o que sabe melhor: ser um bom garoto.

Cavalo de Guerra EstrelinhaEstrelinha
[War Horse, Steven Spielberg, 2011]

Comentários

comentários

3 comentários sobre “Cavalo de Guerra”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *