O cinema norte-americano, no seu quase um século de longas-metragens, desenvolveu uma espécie de subgênero do drama que faz muito sucesso popular: uma espécie de pequeno melodrama interior, onde o espectador é tomado pela tristeza da vida de pessoas comuns que viveram grandes tragédias pessoais e buscam redenção. A fonte é, sem dúvida, o turbilhão de romances populares que invade todos os anos as livrarias norte-americanas. Romances como The Shipping News, de E. Annie Proulx, adaptado para o cinema em 2001.

Como a maioria dos pequenos melodramas interiores, Chegadas e Partidas, o filme, exagera nos traumas de seus personagens, sobretudo nos de seu protagonista, Kevin Spacey. Um pai que o maltratava, um emprego sem graça, uma mulher que leva homens pra casa, suicídio em família, filha vendida no mercado negro. E isso é o começo da história. Depois de tanta desgraça, há que se buscar a redenção. Eis que ele volta ao lugar onde seus antepassados viveram para construir uma nova vida… Premissa de quase todos os pequenos melodramas interiores.

O maior problema deste gênero de filmes é que ele está gasto. A eficiência que se conseguiu em Laços de Ternura (83), seu maior exemplar, dificilmente será repetida. Em Chegada e Partidas, não existe doença, mas uma dor incontrolável, que percorre todos os personagens. O problema é o excesso.

A caracterização de Kevin Spacey é exagerada. Seu personagem é apresentado como um ser completamente patético. Tanto que não dá para se envolver tanto no seu drama com a esposa Cate Blanchett (melhor atriz do filme). E todos os coadjuvantes têm dramas pessoais de grandes proporções. Tudo soa falso, o que atrapalha o bom elenco. Atores reconhecidamente bons como Julianne Moore, Judi Dench e o próprio Spacey nunca conseguem o tom certo para seus personagens. Percebe-se o esforço, que esbarra na fragilidade não só do roteiro como da própria história.

Lasse Hallström já assinou bons filmes, como Minha Vida de Cachorro, feito ainda na Suécia, e Gilbert Grape, mas seus últimos filmes são insípidos e inodoros. Só não se tornam invisíveis por causa das milionárias campanhas da Miramax para o Oscar. De Regras da Vida a Chocolate, em que quase nada se salva além das trilhas de Rachel Portman. Em Chegadas e Partidas, ela não é autora da música, aí não sobrou muita coisa além de uma bela paisagem e um monte de atores bons que lutam para dar verdade a personagens de mentira.

Chegadas e Partidas 
[The Shipping News, Lasse Halsström, 2001]

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *