Cópia Fiel

Sair de seu Irã ajudou a manter o gênio de Abbas Kiarostami trabalhando a pleno vapor. Embora, há anos, seus trabalhos sejam financiados por países ocidentais, sobretudo a França, esta é a primeira vez que o cineasta iraniano escolhe uma trama que o afasta de sua terra natal. Cópia Fiel mantém as principais regras e temáticas do cinema do diretor. A observação do cotidiano e a busca da identidade estão em primeiro plano mais uma vez, mas agora com rostos ocidentais como o de Juliette Binoche, premiada em Cannes por uma performance que exige muito de seu talento.

O filme é um enigma que o cineasta oferece ao espectador. O ponto de partida está na discussão sobre a originalidade de uma obra de arte. O protagonista, vivido por William Shimell, defende que as cópias são tão originais quanto a obra inicial. Como costuma fazer, Kiarostami costura seus objetos à própria estrutura de seu filme. Aqui, a discussão rapidamente passa do diálogo para a própria história do longa e Cópia Fiel vira um jogo de simulacros sob o disfarce de melodrama matrimonial.

Os personagens de Binoche e Shimell são confundidos com um casal e resolvem assumir a fantasia para si, literalmente “vivendo” o discurso do cineasta de que a originalidade está nos olhos de quem vê. A história dentro da história ganha proporções cada vez maiores até que, sem aviso prévio ou grandes rupturas, os protagonistas se transformam definitivamente nas pessoas que fingiam ser. A virada da trama legitima a discussão iniciada por Kiarostami e coloca o espectador numa situação única: se quem manda nessa história é ele, o espectador, a pessoa que olha para a obra, quem está certo nesse debate é ele, o diretor, que deixou todo mundo encurralado e condenado a concordar com ele.

Cópia Fiel EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Copie Conforme, Abbas Kiarostami, 2010]

Comentários

comentários

3 comentários sobre “Cópia Fiel”

  1. Não achei muita coisa não,só Juliette Binoche me deu alegria.Mas como ela nunca erra,isso nem é novidade.Chico já viu Bruna Surfistinha?Drica Moraes bota Deborah Secco no bolso né?Gostaria de ler sua opnião sobre o filme.Escreve aí,vai?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *