Simone Spoladore, osmar Prado, Berta Zemel
Alain Fresnot ainda não fez o suficiente para provar seu talento no cinema. Seu longa anterior, Ed Mort (96), aproveita mal um bom personagem numa história chata e desinteressante. Nesse Desmundo, o cineasta recria uma época com eficiência técnica, mas não é capaz de tornar sua narrativa atrativa. Falta ritmo. Falta capacidade de envolver o espectador. Desmundo parece um livro de histórica, com muita informação, mas sem carisma. A embalagem parece justa, o visual é sujo como era a época, o português falado no filme é o arcaico, mas todo esse preciosismo deve ter empurrado para dentro das belas matas do filme o roteiro, escrito pelo próprio diretor, com participação da cineasta responsável por Durval Discos.

Osmar Prado e Berta Zemel, numa aparição raro vista no cinema, conseguem dar os melhores momentos do longa, o que não é suficiente para torná-lo interessante. Simone Spoladore, com maquiagem para esconder sua beleza, está opaca. Desmundo parece oco, envelhecido, pouco profundo. A sensação é de casca colorida e fruta ressecada. A culpa pode até ser atribuída ao próprio romance de Ana Miranda, que pode ter ficado perdido no tempo, mas não parece. Aqui temos um caso de roteiro que não sabe contar uma história do modo como ela deveria ser contada. O maior problema do cinema brasileiro.

Desmundo EstrelinhaEstrelinha½
[Desmundo, Alain Fresnot, 2003]

Comentários

comentários

Um pensamento sobre “Desmundo”

  1. Chico, aumentaria as estrelinhas. Gostei do filme, principalmente por retratar tão bem a língua da época. Fiz uma experiência e passei o filme aos meus alunos. Um dos únicos filmes brasileiros que eles gostaram e eu também.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *