King Kong

O tamanho de um filme muitas vezes é motivo suficiente para que a produção seja suspeita, julgada, condenada e executada. A ânsia em defender o pequeno contra o gigante existe desde que o mundo é mundo e ganhou força no cinema desde que Tubarão, de Steven Spielberg, inventou a temporada do filme-evento bem no meio da década de 70 e deu um novo sentido à palavra superprodução. Os milhões de dólares (geralmente são dólares) investidos em filmes assim são normalmente associados às concessões que o diretor tem que fazer aos estúdios, interessados no retorno financeiro. Filme grande demais, então, é filme sem autor, filme com operador.

Esse certamente não é o caso de Spielberg que, no longa seguinte, faria um de seus mais belos trabalhos: Contatos Imediatos do Terceiro Grau. Mesmo assim, o cineasta passou os últimos vinte anos tentando se livrar do carma de diretor de filmes de bilheteria gorda e tentando dar credibilidade artística ao seu trabalho. E esse certamente também não é o caso de Peter Jackson, o australiano que saiu do cinema de terror trash, dirigiu um indie respeitadíssimo (Almas Gêmeas) e depois entrou, ao que parece para sempre, no panteão dos cineastas de filmes gigantes.

Depois de comandar O Senhor dos Anéis, três filmes imensos, grandiosos, tanto nas durações fartas quanto nas proporções de produção, Jackson, ao contrário de Spielberg que se alterna entre blockbusters e filmes menores, anunciou outro projeto-monstro, uma releitura do primeiro King Kong, filme de 1933, comandado por Merian C. Cooper e Ernest B. Schoedsack. Projeto ao mesmo tempo bastante ambicioso e perigoso: o filme precisaria preencher os requisitos de um longa de ação, com criaturas gigantescas (além do gorila bem alimentado temos uma porção de dinossauros) e ser uma história de amor, crível, entre um bicho gigante e uma mulher. Um trabalho monstruoso.

Peter Jackson achou que o trabalho era pouco e, como a proposta era reimaginar o primeiro longa, situa seu filme na Nova York pós-Queda da Bolsa, falida, pobre, com pessoas perdendo os empregos. Com três filmes de três horas e meia no currículo, Jackson se sentiu à vontade para gastar muito, muito tempo na apresentação de seu cenário, de suas personagens, de sua história. A maior cidade do mundo de 70 anos atrás aparece majestosa, imensa, numa reconstituição de babar. É ali que elege sua musa (e a musa do Kong): Ann Darrow é uma comediante de vaudeville que vê o teatro onde trabalha fechar as portas por falta de dinheiro e cruza com um diretor de cinema em busca frenética por uma nova protagonista (isso depois de ser rejeitado pelo estúdio e resolver fugir para terminar seu novo projeto).

Este primeiro ato já revela ao espectador o que Jackson pretende de seu filme: ele pretende tudo. Diferentemente das duas versões anteriores da história – restritas a filme de aventura com um esboço inacabado das motivações de suas personagens, o novo King Kong é desavergonhadamente um filme clássico, grandioso: heróico, político, romântico, impetuoso, emotivo. Neste ato inicial também vemos que o sarcasmo de Jack Black empresta ao cineasta dentro do filme rascunha um vilão simpático, sem maneirismos além daquele olhar alucinado de sempre, e que Naomi Watts é mesmo encantadora.

Depois que o tema musical de James Newton Howard já colou na sua cabeça, o galã improvável Adrien Brody mostra que a estranheza funciona para o papel e o ex-Billy Elliott Jamie Bell traz o coadjuvante mais legal do filme. A chegada à ilha resulta numa cena fantástica do encontro entre a tripulação do navio e os nativos, com uma maquiagem assustadora. O domínio de Jackson sobre imagem e som nesta cena é impressionante. Ele é daqueles cineastas que fazem sumir os limites entre a tela e a platéia. Não vou me alongar no quesito técnico porque provavelmente todo mundo já falou ou vai falar sobre como os efeitos visuais são perfeitos, mas o que mais me impressionou não foi a absoluta competência em desenvoler o Kong, que tem cicatrizes e tudo, mas foi, acreditem, na sua composição como personagem e na sua performance.

O Kong de Jackson rouba sua loira sacrificada para depois se apaixonar. Tá todos os outros eram assim, mas nunca com a delicadeza como este filme mostra. Muito mais impactantes para mim do que as – inúmeras – cenas de ação com o gorila quebrando o pau com os dinossauros ou com os atores enfrentando todo o tipo de monstros pré-históricos (se você tem problemas com isso e gosta de filmes realistas, este filme não é para você), são as cenas de romance entre Ann e Kong, sedutoras, deliciosas, lindas mesmo. É nelas que o trabalho de capturar as expressões de Any Serkis, que também está no elenco em carne-e-osso, se revela preciso e, mais que isso, é nelas que Naomi Watts mostra que é uma das melhores atrizes do ano.

O tamanho no filme de Peter Jackson não é apenas documento, é em função dele que o diretor constrói seu filme. E é sendo do tamanho que é que King Kong permite suas alternâncias de ritmo, que revelam suas nuances múltiplas. De crônica social a filme de aventura, de superprodução a épico rômantico sobre um amor (im)possível, Peter Jackson faz um filme quase perfeito. Quem diria que o casal mais arrebatador de 2005 seria tão lindo?

King Kong EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[King Kong, Peter Jackson, 2005]

Comentários

comentários

18 thoughts on “King Kong”

  1. Eu não gostei de “Almas Gêmeas”.

    O Andy Serkis deve ter tido importância capital na construção do Kong.

    Tou com medo de não pegar o filme nos cinemas, viajo daqui a pouco e só volto em três semanas…

    Ah, milagres acontecem: o CCE foi atualizado. De forma meio picareta, mas foi…

  2. Achei o filme desnecessariamente extenso, aquelas cenas de lutas “inter-animais” ou entre bichos e homens me cansaram um bocado. O fato da personagem da Naomi (e de todos os outros, aliás) cairem de alturas gigantescas e não ganharem nem um arranhãozinho sequer chega a ser cômico (tá bom, eu sei, cinema é magia, mas que eu achei engraçado, achei…) Agora, a cena do supergorila “patinando” com a loira no Central Park é maravilhosa. Com 1h30 a menos, acho que o filme ficaria bem melhor. Abraço.

  3. A estréia na quarta não foi o que o estúdio esperava não, mas eles acreditam que o filme vá fazer bons números no final de semana por causa do boca a boca. De quarta pra quinta ele caiu pouco, cerca de 35%, o que pode ser visto como um indício disso.

  4. Vi o filme de 76 na Sessão da Tarde. Lembro de que era OK, mas é óbvio que não dá para comparar com a original ou esta versão nova…

  5. No original de 33 a paixão do Kong pela loira não era correspondida (ela morria de medo do monstro). Neste, rolam chamegos e tudo mais.

    Não vi o da década de 70. Como é que era a relação loira-gorila?

  6. Rapaz, rolava um carinho, pelo que eu me lembro. Vi o filme há muitos anos, mas nada que chegasse aos pés do que o filme novo traz. A Naomi Watts está maravilhosa, não é?

    Lembro de que na noite em que passou o filme no SBT, no meio dos anos 80, tive que implorar para minha mãe para dormir mais tarde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *