Onde Vivem os Montros

Spike Jonze estreou no cinema há mais de dez anos, mas só assinou três longas nesse período. Os dois primeiros, Quero Ser John Malkovich e Adaptação, lançados entre 1999 e 2002, foram recebidos com entusiasmo. Pelo primeiro, concorreu ao Oscar de melhor direção. No segundo, conseguiu trabalhar com Nicolas Cage e Meryl Streep. Nesses tempos áureos, Jonze era o futuro de Hollywood, o garoto-prodígio que comandava os devaneios do roteirista Charlie Kaufman. A dupla de malucos se completava. Kaufman dava substância a Jonze e Jonze dava direção a Kaufman. Seus dois trabalhos eram, ao mesmo tempo, ousados, irônicos, desmontavam narrativas em forma de grandes brincadeiras.

Mas depois desses dois encontros bem-sucedidos, a dupla seguiu caminhos diferentes. Kaufman voltou a trabalhar com Michel Gondry e estreou como diretor. E Jonze se dedicou aos videoclipes que inauguraram sua carreira, além de curtas e documentários. Somente sete anos depois de seu último longa, Spike Jonze resolve retomar sua carreira como cineasta. E seu terceiro filme é seu trabalho mais corajoso. Sem o conforto de ter um dínamo criativo como Kaufman a seu lado, o diretor, pela primeira vez, se arriscou na assinatura do roteiro de um longa seu, trabalho dividido com Dave Eggers. Como se não bastasse, Jonze resolveu comandar a adaptação de um livro infantil. Detalhe: um livro infantil cujo texto integral tem cerca de quinze frases.

Quem leu o clássico de Maurice Sendak (e isso se faz em três minutos) percebe já nas primeiras cenas que o livro é pouco mais que uma sinopse, ou sendo mais justo, pouco mais do que uma inspiração para o filme. Nas mãos de Jonze e Eggers, cada frase ganha prólogos e epílogos, nuances e sub-tramas, significações e contextos. Pelo menos, 90% do que se vê na tela é material novo, apesar do respeito absoluto à obra de Sendak. Onde Vivem os Monstros, no entanto, guarda duas proximidades com os outros filmes de Spike Jonze: o amor pelo lúdico e a falta de concessões. O primeiro ponto aqui é metabolizado pela própria natureza da literatura infantil. O diretor sabe administrar as passagens entre planos factual e fantástico com uma singeleza que falta a seus outros filmes.

Quanto a falta de concessões, o filme é radical. Jonze não admite que elemento externo algum macule a viagem íntima de seu personagem. O diretor assume por sua conta e risco o conto de fadas e explora todas suas possibilidades. No mundo de hoje, dominado por avatares e experiências visuais, Onde Vivem os Monstros usa os efeitos especiais apenas como suporte para legitimar seus personagens. São tão discretos que podem passar facilmente despercebidos. Jonze ainda dispensa o CGI para criar o visual dos monstros. Figurinos enormes e pesados dão ao filme um caráter retrô que não apenas reafirma a obra de Sendak, como homenageia todo o cinema infantil da era pré-digital, saudado também pela linda trilha de Carter Burwell e Karen O dos Yeah Yeah Yeahs.

Mas o mais radical no novo filme de Spike Jonze não está no formato e sim na sua proposta. Como nas brincadeiras de antigamente, a aventura do garotinho Max (interpretado pelo pestinha Max Records, provavelmente o nome mais cool de um ator em 50 anos) vai até o fim. Ela só acaba quando Max fica cansado (quer uma razão mais justa?) e resolve procurar conforto. Até então ele já nos ajudou a embarcar numa viagem com gosto de uma infância que as gerações de hoje e de amanhã nunca saberão como é. Não porque antes era melhor ou pior, mas porque hoje é de outro jeito.

Onde Vivem os Monstros EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Where The Wild Things Are, Spike Jonze, 2009]

Comentários

comentários

15 comentários sobre “Onde Vivem os Monstros”

  1. I liked up to you will receive performed proper here. The sketch is tasteful, your authored material stylish. however, you command get got an edginess over that you wish be delivering the following. ill indubitably come further before again as precisely the same nearly very incessantly inside of case you protect this increase.

  2. eu assistir com os meus colegas e todo mundo gostou pois ele mostrou a realidade no dia de hoje,esse filme foi muito bem produzido pois e um filme muito bom , da vontade de assirti sempre eu gostei muito

  3. Com certeza não é um filme para crianças. Eu gostei bastante. É uma metáfora dos pensamentos infantis do Max vistos de fora do próprio Max.

    “Como é difícil viver em família”. E é mesmo.

  4. Assisti com meus filhos (de 4 e 9 anos), imaginando se tratar de um filme infantil, e me arrependi. O filme é pesado, tenso, lento e chato. O filme simplesmente não acontece. A verdade é que ficamos torcendo que o filme acabasse rapidamente. Não recomendo, muito menos pra crianças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *