Ponte para Terabítia

Uma das melhores coisas que a arte pode provocar é a surpresa. Ir ver um filme sem grandes expectativas e descobrir um pequeno tesouro é uma experiência deliciosa. Ponte para Terabítia come pelas bordas e ganha o espectador aos poucos com uma mistura impressionantemente bem conduzida de drama infantil com fábula cheia de elementos fantásticos. O diretor desconhecido Gabor Csupo sabe equilibrar essas duas vertentes com graça e, sobretudo, com seriedade. Coisa raríssima em filme destinados aos público infantil é levar a sério o que se está filmando, mesmo reciclando clichês como é o caso aqui (se a gente for querer discutir as coisas nesse ponto, o que não é o caso).

Ponte para Terabítia se passa num outro plano. Um plano superior em que não se discute méritos técnicos (que o filme tem de sobra; os efeitos visuais ao mesmo tempo simples e impressionantes), mas a capacidade de encantamento, o amor pela imaginação, o poder de uma criança. Por sinal, Josh Hutcherson e AnnaSophia Robb, a versão-mirim da Keira Knightley, estão adoráveis. Um filme para ver com os olhos cheios d’água e um sorriso enorme no rosto.

Ponte para Terabítia EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Bridge to Terabithia, Gabor Csupo, 2007]

Comentários

comentários

9 thoughts on “Ponte para Terabítia”

  1. Chico, eu tenho muita vontade de ver este filme. Especialmente porque vi um com este ator (Josh Hutcherson) tempos atrás, na tv a cabo, e me encantei com ele. O filme chama-se Little Manhattan, você já viu? É uma comédia romântica bem água com açúcar (mas a ressalva é que a história envolve um casal pré-adolescente… a gente acaba descontando possíveis situações mais bobinhas), mas que vale pela atuação dos atores. E tem um humor e frescor muito bons. 🙂
    Este que vc fala aqui eu vou ver num futuro bem próximo, já está na minha lista. 🙂
    Beijos.

  2. Oi Chico! Dando uma voltinha (faz tempo, eu sei)

    Foi o meu caso também, um amigo insistiu pra que eu assistisse (do tipo locar o filme, me levar até a casa dele e falar “senta aí e assista”) e fiquei do mesmo jeito, bobão ao final.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *