Rânia

“Eu tenho medo de ir, mas eu tenho mais medo de ficar, sabe?”. A frase resume não apenas o dilema da protagonista, mas um dos incômodos que mais habitam o cinema contemporâneo: o duelo entre raiz e liberdade, a noção de que só se pode ser feliz longe de casa. Rânia é uma adolescente, começando a descobrir a vida. Uma menina que vive que reprisa um sonho bastante comum, o de se tornar bailarina, mas que encontra poucas chances de materializá-lo nos bairros pobres de Fortaleza. Em seu primeiro longa-metragem, a cearense Roberta Marques traduziu uma inquietação que se reproduz, geração após geração, em milhares, talvez milhões de nordestinos. E fez isso sem sair de casa. Ou quase isso.

A cineasta mora na Holanda, mas seu filme é totalmente rodado em sua terra natal, com atores em sua maioria inexperientes, o que garante não apenas o sotaque, mas um tom genuíno à obra. Roberta parece saber do que está falando. Rânia lida com o drama dos desagarrados ao mesmo tempo em usa a delicadeza com que trata a personagem-título para invadir um universo tão complexo quanto. Sem perder o lado lúdico, presente tanto nas imagens quanto na narrativa do filme, a cineasta olha para uma questão do “mundo real”. A protagonista é acompanhada por duas espécies de “anjos” que representam possibilidades opostas para que ela siga o caminho que imagina para si.

Zizi é a dançarina da noite, que ganha a vida numa casa noturna, realizando desejos masculinos, enquanto Estela é a forasteira que quer montar uma companhia de dança com bailarinos da cidade para percorrer o mundo. As duas, separadas, de maneiras diferentes, oferecem para Rânia a chance de realizar seu sonho. Juntas, ajudam a traduzir um rito de passagem, que passa necessariamente por escolhas, sofrimento e concessões. Roberta Marques em alguns momentos abusa de alguns maneirismos, sobretudo no voice over poético, mas isso não desmerece o filme. Talvez a intenção da diretora não seja apontar um futuro definitivo para sua personagem, mas encorpar o incômodo que vai mover os próximos passos de sua vida.

Rânia EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Rânia, Roberta Marques, 2012]

Comentários

comentários

2 comentários sobre “Rânia”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *