Tag: 2008

Gran Torino

Eu nunca fiz parte dessa nova onda de fãs do Clint Eastwood, que, nos últimos anos, elegem todos seus últimos trabalhos como obras-primas. Na verdade, esse movimento me irrita um pouco porque, apesar de ter dirigido alguns filmes belíssimos, como As Pontes de Madison e Sobre Meninos e Lobos, Clint também fez longas medianos, como A Conquista da Honra e […]

Frost/Nixon

Faz tempo que eu trabalho em televisão e, nesses anos todos, vi poucos filmes que conseguissem retratar com alguma fidelidade os bastidores deste meio. Geralmente se está tão interessado em demonizar a área que a falta de pesquisa incomoda, banaliza e compromete o resultado final. Dessa maneira, seria difícil acreditar que Ron Howard, um cineasta […]

Rio Congelado

O cinema independente norte-americano criou uma série de regras que viraram maneirismos e clichês. Nos últimos anos, a produção indie parecia tão interessado em se diferenciar pela esquisitice que parecia impossível vislumbrar um futuro para novos cineastas. O filme de estréia de Courtney Hunt me fez mudar de idéia, embora tudo levasse a crer no […]

Milk

A última vez que Gus Van Sant se aventurou por um filme de narrativa clássica resultou em Encontrando Forrester, fraquíssimo exemplar de cinema para senhoras elegantes. Depois dele, o cineasta se dedicou a uma linguagem mais experimental que resultou em quatro belos filmes: Gerry, Últimos Dias, Paranoid Park e a obra-prima Elefante. A notícia de […]

Top 5 – filmes mais superestimados de 2008

1 Batman: O Cavaleiro das Trevas Christopher Nolan Há inúmeros acertos: Heath Ledger, Aaron Eckhart, Gary Oldman, a seqüência do assalto, a do bilhete e a série de aparições de Anthony Michael Hall, que amarram a trama, mas nem tudo são flores. A cena de perseguição é longa e chata, o momento Hong Kong do […]

A Bela Junie

Há uma grande diferença entre ver e olhar. Ver geralmente parece demandar mais inteligência e conteúdo porque mira no resultado. É associado à descoberta, à percepção, tem um começo, um meio e um fim. O ver se resolve, é satisfação garantida. Já o olhar não. O olhar termina meio depreciado, esquecido, incompreendido porque o importante […]