Tetsuo

No mês do centenário da imigração japonesa, começo uma maratona com filmes importantes na História da Terra do Sol Nascente. Kobayashi, Miike, Miyazaki, Suzuki e Teshigahara, entre outros, passarão por aqui ao longo dos próximos dias, mas resolvi começar o passeio pelo Japão pela obra de Shinya Tsukamoto, autor do clássico alternativo Tetsuo, o Homem de Ferro, um filme bastante perturbado sobre um homem e seu processo gradual de transformação em máquina. O filme leva em sua essência o espírito do pós-moderno. Desde os primeiros minutos, pode-se perceber que o diretor tem a clara intenção de criar um objeto de culto: trama esquisita, imagens fortes e dezenas de referências, desde o cinema de ficção-científica dos anos 50 até Lynch e Cronenberg, passando pela cultura anime e pelo terror trash de Sam Raimi nos 80.

Tetsuo não tem vergonha de ser uma colagem. Esta é provavelmente sua maior qualidade. Embora, em várias cenas, os excessos quase se transformem em brincadeira, existe uma coerência espantosa em sua confecção. O que mais impressiona é como o filme solta pinceladas de história e aposta todo seu poder de comunicação na trilogia imagem-montagem-música. Durante a maior parte de sua duração, o filme é nada mais do que uma sucessão de estímulos visuais e sonoros excitantes que provocam o espectador, convidando-o a se livrar de uma narrativa convencional e sentir o filme. Parece uma proposta bem boba, cabeça, mas funciona até porque Tetsuo não é um filme pretensioso.

Tsukamoto promove um passeio pelo absurdo, com direito a momentos grotescos malucos como a cena do pênis-broca, a partir de uma tentativa até ingênua de trazer algo novo. É justamente por isso que Tetsuo II seja um pouco decepcionante. Com mais dinheiro e à sombra do inesperado sucesso do filme original, o cineasta sucumbiu a uma narrativa mais linear, praticamente refilmando o longa anterior (que, por sinal, já era a versão estendida de um curta seu). O resultado é que o universo criado foi revisitado, respeitado e ganhou novos desdobramentos, mas o quesito originalidade, que era a marca maior do primeiro filme morreu na praia. A concepção visual continua caprichada, mas até os efeitos visuais perdem para as truncagens do longa original. Tetsuo II é bem divertido de se ver, mas deixa saudade do espírito-livre da experiência anterior.

Tetsuo II

Tetsuo, o Homem de Ferro EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Tetsuo, Shinya Tsukamoto, 1989]

Tetsuo II, the Body Hammer EstrelinhaEstrelinha
[Tetsuo II, the Body Hammer, Shinya Tsukamoto, 1992]

Comentários

comentários

2 comentários sobre “Tetsuo”

  1. Gostaria de saber se vc se lembra de um filme nacional estilo goonies que foi feito por volta do final dos anos 90 que nem acabou saíndo nos cinemas estou tentando me lembrar do nome do filme poderia me ajudar com essa dúvida?

    att

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *