Deannie Yip, Andy Lau

A casa está impecável e o jantar está pronto. Ah Tao já pode ir deitar. Sua rotina é a mesma há mais de 40 anos. Sua relação com Roger, especial. Ela está na família dele há mais tempo do que ele tem de vida. E depois que todos cruzaram o oceano para ir morar nos Estados Unidos, Roger ganhou os mimos e as broncas de Ah Tao só pra ele.  Foi uma vida inteira dedicada a alguém. Agora que ela chegou a uma idade avançada, cabe a ele devolver tudo o que recebeu.

O plot de Uma Vida Simples é desanimador, parece estar intrinsecamente associado a um tipo de exercício melodramático onde se só se opera com maniqueísmos e maneirismos. A fórmula é virada pelo avesso pela diretora Ann Hui, que evita as armadilhas dos filmes sobre velhice utilizando a simples decisão de evitar os conflitos de sempre. Mesmo separados, os personagens permanecem unidos do começo ao fim do filme.

Sem precisar se preocupar com reviravoltas e lições de moral, a cineasta pode se dedicar a acompanhar a mudança de Ah Tao para um asilo, sua adaptação à nova casa e seus encontros constantes com Roger. A câmera documental de Nelson Yu Lik-wai, parceiro habitual de Jia Zhang-ke, é orgânica, parece estar incorporada aos cenários. Move-se com tranqüilidade,  registrando com precisão e riqueza de detalhes o dia-a-dia da protagonista.

De uma só vez, o filme oferece uma visão sóbria sobre o ocaso da vida, ao mesmo tempo em que investiga as memórias de um homem sobre um personagem fundamental de sua história. Andy Lau, um ator de filmes de ação, é de uma delicadeza notável na composição de Roger, mas a interpretação monumental do filme é a de Deannie Yip, cuja Ah Tao é um retrato perfeito das mulheres que abdicam de suas vidas pessoais em prol dos outros.

Como Ann Hui trabalha praticamente ignora o melodrama, a cena em que a protagonista, pela primeira vez, se depara com a possibilidade da morte é um choque para o espectador, mesmo que dirigida com absoluta discrição. Toda a força da cena está na interpretação da atriz, nas expressões faciais contidas, nos olhos tristes. Até ali, os percalços na trajetória de Ah Tao faziam parte do contexto. A partir desta cena, a consciência da finitude vem à tona. Sorte de que tem sempre alguém por perto.

Uma Vida Simples EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Tao Jie, Ann Hui, 2011]

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *