Whisky

O bilhete que Marta entrega para Herman em Whisky pode, muito provavelmente, conter as mesmas palavras ditas por Bob Harris no ouvido de Charlotte nos minutos finais de Encontros e Desencontros, de Sofia Coppola. Palavras secretas que adjetivam conceitos como identificação, envolvimento ou mesmo amor. Palavras que deverão permanecer guardadas para sempre. A transformação interna de uma pessoa precisa apenas de um ponto de partida, de um gatilho.

O dia de Marta, interpretada pela brilhante Mirella Pascual, é feito de cenas repetidas. Começa em frente a uma porta de metal. Termina em frente a uma porta de metal. Marta só existe enquanto está na empresa onde trabalha. Não há nada além. Ninguém vê nada além. É lá, executando suas tarefas idênticas, dia a dia, que Marta é importante. É nela que está a engrenagem da pequena fábrica de meias. O emprego de Marta é pequeno, discreto, mínimo, justamente como Marta aparece aos olhos das pessoas.

Mas o emprego de Marta também é um mundo inteiro, justamente como Marta, que guarda um universo dentro de si.

Marta guarda gratidão pelo patrão. É ele que permite que ela esteja ali. Em troca, retribui com fidelidade, dedicação, cuidado, amor. Não há como negar o pedido que Jacobo faz para que ela assuma a farsa de um casamento. Para enganar o irmão dele. Para impressionar o irmão dele. A fábrica de meias é o mundo inteiro de Marta, mas também é o mundo inteiro de Jacobo. Um mundo que o privou de um outro mundo, o de verdade.

Quando Marta sai de seu dia cheio de cenas repetidas é que ela percebe como é só. Nesse momento que nunca acaba, Marta vive a fugaz ilusão da companhia, do estar junto para em seguida se dar conta de que não tem nada, de que tudo é de mentira. E Marta, ora, tem sentimentos. Ela é doce, delicada, esforçada, sofrida. Ela quer amor. E sabe onde não vai encontrar. O bilhete que Marta entrega para Herman pode, muito provavelmente, dizer: “até amanhã, se Deus quiser”.

Whisky EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Whisky, Juan Pablo Rebella e Pablo Stoll, 2004]

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *