Poucos diretores têm uma obra consistente construída por melodramas. A nomes como Alejandro Agresti e Nick Cassavetes, é possível juntar o de Susanne Bier. A dinamarquesa de Depois do Casamento aqui aposta no encontro de duas famílias para mostrar os efeitos devastadores da solidão. Os dois jovens protagonistas têm motivos diferentes para se sentirem isolados e é isso que os aproxima. Bier constrói essa relação muitas vezes abusando de constrastes e didatismos, mas consegue compor cenas fortes que transcedem o lugar comum. As sequências da África, no entanto, parecem dispensáveis. Têm o pretexto de delinear um personagem cujo perfil já parecer estar suficientemente claro em suas cenas fora de lá. Embora nunca seja um filme excepcional, Em um Mundo Melhor dá conta de seu projeto com folga.

Em um Mundo Melhor EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Hævnen, Susanne Bier, 2010]

Comentários

comentários

3 thoughts on “Em um Mundo Melhor”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *