O Segredo da Cabana

O diretor e roteirista escreveu alguns episódios da série Lost e o filme Cloverfield – Monstro. O corroteirista foi quem criou Buffy – A Caça-Vampiros e dirigiu Os Vingadores, além de ser um dos mais respeitados escritores de quadrinhos nos dias de hoje. Com tantas referências pop e informação de que a dupla é fã do cinema de terror, O Segredo da Cabana nasce com pedigrée e é um programa obrigatório para quem gosta de levar uns sustos.

O longa de Drew Goddard parte de um princípio comum a muitos dos slasher movies (os filmes em jovens são assassinados) que povoaram os cinemas e vídeo-cassetes nos anos 80: um grupo de amigos vai passar o fim de semana numa cabana, no meio da floresta. Da série Sexta-Feira 13 ao cultuado A Morte do Demônio, de Sam Raimi, dezenas, talvez centenas de filmes de baixo orçamento, obedeceram ao mesmo roteiro.

Mas o roteiro de Goddard e Joss Whedon tem bem mais ambição do que simplesmente encontrar as maneiras mais criativas de mandar um jovem pro descanso eterno. O Segredo da Cabana é um filme de simulacros. Nada é o que parece no longa estrelado por um ainda minguado Chris Hemsworth, que depois viria a encarnar o deus do trovão nos filmes da Marvel. Cada detalhe esconde um segredo que esconde outro segredo que disseca fórmulas e estereótipos dos filmes de terror até que não haja maior profundeza possível.

A ideia tem ares suicidas porque, ao explicitar suas farsas, o filme se autobanaliza, mas ao fazer isso chega a uma espécie de essência do terror. Na sucessão de camadas sobrepostas de maneira deliciosa pelos roteiristas, o filme se transforma numa homenagem não a um subgênero do cinema de terror, mas ao terror em si – antes mesmo de existir cinema – quando as criaturas que povoavam lendas e mitologias evocavam um medo ancestral. Pois é, O Segredo da Cabana é como o princípio de todo o mal, mesmo que reality shows e referências aos filmes de zumbis, além de um humor refinado, tragam o filme para perto do público de hoje.

O fato de um filme com um apelo popular como este permanecer inédito nos cinemas brasileiros (à exceção das exibições no Festival do Rio do ano passado) é um mistério que as distribuidoras brasileiras merecem explicar. Foi o filme mais ambicioso e divertido de sua temporada, cuja trama pode ser interpretada como uma metáfora para os dias de hoje, em que nada parece ter um fim em si mesmo.

O Segredo da Cabana EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[The Cabin in the Woods, Drew Goddard, 2012]

Filmes do Chico também no Facebook, Twitter e Instagram (@filmesdochico).

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *