Top 20: Sessão da Tarde

Atualização: top 100 da Sessão da Tarde

A verdade é que ser criança entre os anos 70 e 80 foi um deleite para quem estudava pela manhã e podia ver TV à tarde. A Sessão da Tarde da TV Globo, que existe desde 1975, era parada obrigatória para a criançada e, ao contrário dos filmes teen sem graça que são exibidos já faz uns bons anos no espaço, o recheio da sessão era de clássicos. A lista que você acompanha abaixo é estritamente pessoal. Os únicos critérios, além do meu gosto, foram: só trabalhar com filmes exibidos na Sessão da Tarde (nada de Cinema em Casa, aquela cópia fajuta que o SBT fez), escolher filmes que foram realizados até 1989 (porque, depois disso, a Sessão da Tarde nunca foi a mesma) e eliminar filmes que fizessem parte de alguma franquia (e que, desta forma, têm uma visibilidade maior, como as séries Superman, De Volta para o Futuro e Indiana Jones ou os longas dos Trapalhões). Eu queria fazer uma relação de filmes que são essencialmente filmes da Sessão da Tarde.

Barry Levinson
20 O Enigma da Pirâmide
Young Sherlock Holmes
Barry Levinson, 1985

O que poderia ser mais irresistível do que acompanhar as aventuras de Sherlock Holmes e seu inseparável senhor Watson na infância? Barry Levinson, em seu terceiro filme, criou uma aventura deliciosa, escrita pelo mesmo Chris Columbus que nos entregaria Esqueceram de Mim e os primeiros filmes de Harry Potter.

Tim Burton
19 Os Fantasmas se Divertem
Beetlejuice
Tim Burton, 1988

Este quase não entra na lista por causa de sua pouca idade, mas o filme mais maluco de Tim Burton é uma obra-prima da anarquia, com umas das melhores concepções visuais do cinema fantástico nos anos 80. Michael Keaton, em seu melhor papel, está genial. Numa das melhores cenas, Winona Ryder canta a música que seria o melô do Babaloo Banana.

Cecil B. De Mille
18 O Maior Espetáculo da Terra
The Greatest Show on Earth
Cecil B. De Mille, 1952

A Sessão da Tarde era tão legal que não vivia só de comédias e filmes de aventura, mas também exibia filmes como este drama circense em tom épico do mais hollywoodiano dos diretores. O filme, exuberante e grandioso, tinha Charlton Heston, Betty Hutton, Gloria Grahame e James Stewart, como o melhor palhaço do cinema.

O Último Guerreiro das Estrelas
17 O Último Guerreiro das Estrelas
The Last Starfighter
Nick Castle, 1984

Este filme nem é tão bom assim, mas ele foi simplesmente o sonho de nove entre dez moleques nos anos 80. O protagonista, um menino craque em jogar fliperama, se vê recrutado por uma espécie de polícia espacial para virar um soldado das estrelas e ajudar a acabar com aliens que queriam dominar alguma coisa. Precisa dizer mais?

Richard Donner
16 Ladyhawke, o Feitiço de Áquila
Ladyhawke
Richard Donner, 1985

Donner foi o melhor diretor de indústria dos anos 70 e 80. Fez pelo menos uns cinco clássicos. O romance impossível entre os amaldiçoados Isabeau e Etienne foi um dos melhores. Rutger Hauer e Michelle Pfeiffer formam um dos casais mais belos e tristes do cinema americano. E Matthew Broderick, em seu terceiro filme, está perfeito.

John Landis
15 Um Príncipe em Nova York
Coming to America
John Landis, 1988

Se um comediante dominou os anos 80, este cara se chama Eddie Murphy. Este filme é o ápice de sua carreira ao longo da década, onde ele lança a tática de aparecer nas mais variadas ‘peles’. Há dois momentos sensacionais: Eddie cantando The Greatest Love of All, de Whitney Houston, e Eriq La Salle deixando uma poça de soul glo no sofá.

Michael Curtiz
14 As Aventuras de Robin Hood
The Adventures of Robin Hood
Michael Curtiz e William Keighley, 1938

Este filme é o vovô da lista, mas o fato de ser uma das melhores aventuras de todos os tempos certamente o ajudou a ser reprisado ad infinitum na Sessão da Tarde. Quem acha que Robin Hood é Kevin Costner precisa muito ver este filme aqui. Errol Flynn comanda o elenco, que ainda tem Olivia de Havilland (!), sob às rédeas do então futuro diretor de Casablanca.

Kevin Connor
13 Uma Aventura na Arábia
Arabian Adventure
Kevin Connor, 1979

O título genérico pode não ajudar na memória, mas este longa não é apenas uma aventurazinha qualquer no deserto. Este é o filme em que o mocinho busca a rosa azul, perseguido pelo olho que tudo vê. Clássico, mesmo não sendo tão bom. E com Christopher Lee, Peter Cushing e Mickey Rooney no elenco.

A Menina e o Porquinho
12 A Menina e o Porquinho
Charlotte’s Web
Charles A. Nichols e Iwao Takamoto, 1973

A versão em carne-e-osso não é ruim, mas não chega aos pés deste filme, que a Sessão da Tarde reservava para os feriados, quando a turma vespertina da escola se juntava aos coleguinhas da manhã em frente à TV. O porquinho Wilbur, o ratinho Templeton e, principalmente, a aranha mais adorável do universo, Charlotte, são inesquecíveis.

Peter Sellers
11 Um Convidado Bem Trapalhão
The Party
Blake Edwards, 1968

O encontro de Edwards com o genial Peter Sellers foi celebrizado na série A Pantera Cor-de-Rosa, mas provavelmente nunca foi tão hilário como neste filme. Sellers faz um figurante de cinema que ganha por engano um convite para uma festa em Hollywood e protagoniza uma colossal sucessão de trapalhadas.

Ray Harryhausen
10 Fúria de Titãs
Clash of Titans
Desmond Davis, 1981

Os efeitos criados por Ray Harryhausen provavelmente seriam motivo de chacota se este filme fosse exibido hoje em dia, mas foi o stop-motion do mestre que fez possível o mais delicioso filme sobre os deuses gregos. Apesar do clima b da produção, que vai ser refilmada, o elenco era uma constelação: Laurence Olivier, Maggie Smith, Ursula Andress, Claire Bloom e Burgess Meredith.

John Carpenter
9 Os Aventureiros do Bairro Proibido
Big Trouble in Little China
John Carpenter, 1986

Carpenter deixou o terror, seu gênero por essência, de lado para dirigir esta aventuras com toques fantásticos e terminou nos entregando um de seus melhores filmes. Kurt Russell, Kim Catrall, bem antes de Sex and the City, e James Hong, uma espécie de senhor Miaghi dos pobres, protagonizam uma batalha contra um mal adormecido há séculos.

Esses Homens Maravilhosos e Suas Fantásticas Máquinas Voadoras
8 Estes Homens Maravilhosos e Suas Fantásticas Máquinas Voadoras
Those Magnificent Men in Their Flying Machines or How I Flew from London to Paris in 25 hours 11 minutes
Ken Annakin, 1965

Se esta lista fosse séria, esta vaga seria de Deu a Louca no Mundo, feito dois anos antes, que é uma espécie de versão rodoviária deste filme. Mas a verdade é que esta cria anabolizada, que também conta com o hilário Terry-Thomas, ganha pelo fato de literalmente mandar seu elenco pelos ares e aumentar o volume da comédia.

Robert Zemeckis
7 Febre de Juventude
I Wanna Hold Your Hand
Robert Zemeckis, 1978

O primeiro filme de Robert Zemeckis, sobre a primeira visita do Beatles aos EUA, é um de seus melhores trabalhos. Todos os personagens são excelentes, desde a inocente Pam de Nancy Allen à alucinada Rosie Petrofsky de Wendie Jo Sperber. O filme cai um pouco numa revisão, mas ainda assim tem momentos especiais: quem não lembra de “eu quero te apertaaaar!?”.

Jasão e o Velo de Ouro
6 Jasão e o Velo de Ouro
Jason and the Argonauts
Don Chaffey, 1963

Aventura melhor do que Fúria de Titãs, este outro trabalho do mestre Harryhausen não tem estrelas no elenco, mas não deixa de produzir sequencias impressionantes: a batalha contra a hidra, a luta contra o gigante Talos e a melhor, em que o grupo liderado por Jasão enfrenta um exército de esqueletos. Isso em 1963. Chupa, Sam Raimi!

John Hughes
5 O Clube dos Cinco
The Breakfast Club
John Hughes, 1985

John Hughes foi o maior gênio do cinema comercial norte-americano nos anos 80. Foi ele quem deu substância aos filmes para adolescentes, que se resumiam a comédias sexualizadas. O Clube dos Cinco foi o filme que mais entendeu os adolescentes da época. Foi um dos poucos que brincou com os estereótipos sem desrespeitar ninguém. E um elenco que conta com Ally Sheedy, Judd Nelson, Anthony Michael Hall, Emilio Estevez e a musa ruiva Molly Ringwald, todos ótimos, é de fazer inveja a qualquer um.

Richard Donner
4 Os Goonies
The Goonies
Richard Donner, 1985

No mesmo ano em que fez Ladyhawke, Richard Donner dirigiu apenas um dos maiores filmes de aventura da história do cinema. Um filme que conversa diretamente com a paixão das crianças por mistério, fantasia e adrenalina. Um filme delicioso de cabo a rabo, que possivelmente nunca vai ser igualado no imaginário pop e que tem a melhor música de Cyndi Lauper na trilha. Os irmãos Mikey (Sean Astin) e Brand (Josh Brolin) viriam a ser, respectivamente, o Sam da série O Senhor dos Anéis e o astro de Onde os Fracos Não Têm Vez e Milk.

Frank Tashlin
3 Errado pra Cachorro
Who’s Minding the Store?
Frank Tashlin, 1963

Há, pelo menos, outras cinco comédias de Jerry Lewis que poderiam estar nesta lista. Eu, inclusive, hoje, acho O Terror das Mulheres um filme bem superior, mas este aqui, que representa a carreira do astro, era meu favorito na época pela sequencia interminável em que Lewis – o maior do mundo no humor entre as décadas de 50 e 60 – se debate contra um aspirador de pó descontrolado que, literalmente, devora a loja onde ele trabalha. Clássico!

George Pal
2 As 7 Faces do Dr. Lao
7 Faces of Dr. Lao
George Pal, 1964

Quando o estranho circo comandado por um chinês chega a uma pequena cidade no Oeste americano, nada mais será o mesmo. O encontro assustador com figuras mitológicas monstruosas, mais do que um episódio de suspense ou terror, é uma experiência transformadora. O último filme de George Pal coroa sua carreira no fantástico. Como se a história já não fosse única, o diretor caprichou no aspecto macabro, colocando Tony Randall para interpretar todos os personagens. O trabalho de transformação do ator, que está excepcional, levou o primeiro Oscar de maquiagem da história. Barbara Eden, a Jeannie (é um Gênio), faz a mãe do garoto que nunca nos deixa esquecer: “Dr. Lao, Dr. Lao”.

John Hughes
1 Curtindo a Vida Adoidado
Ferris Bueller’s Day Off
John Hughes, 1986

Numa década tão desacreditada quanto os anos 80, este filme é uma pérola. Se O Clube dos Cinco foi o filme que entendeu os adolescentes, o dia de folga de Ferris Bueller é o filme adolescente mais inteligente já feito. O protagonista, um anarquista por excelência, conversa com o espectador e o convida para ser seu cúmplice em sua grande aventura (matar aula!). Genial! O elenco é um encontro de acertos: o espírito livre de Ferris ganhou na brilhante performance de Matthew Broderick, que deveria ter ganho o Oscar naquele ano (sério!), sua tradução perfeita. Do outro lado, seu amigo tímido (o ótimo Alan Ruck), sua namorada altiva (a ótima Mia Sara) e seu oposto complementar, o inspetor turrão, interpretação inesquecível de Jeffrey Jones. A cena em que Ferris canta Twist & Shout no meio do desfile talvez seja a mais antológica daquela década, os anos em que o gênio John Hughes foi majestade.

P.S.: tive que cortar pelo menos uns 30 filmes bons, mas não dava pra colocar todos, né? E agora aguardo, ansioso, a lista de vocês.

Comentários

comentários

553 comentários sobre “Top 20: Sessão da Tarde”

  1. Filme de 1981 com Mickey Roone – Meu Nome é Bill
    Bill é um homem de 40 anos que é deficiente mental e reside em uma região marginal de Nova York. Quando um mal-entendido acaba na cadeia, é avisado pelas autoridades que o menor incidente retornará ao centro de saúde…

    Obrigada/ Cristina

  2. Oi, gostaria de saber o nome de um filme que eu assistia na sessão da tarde quando eu era criança, lembro que a menina era feia, e rejeitada, o filme era bem triste e tinha só um menino que conversava com ela e a tratava bem, não sei porque eles fugiram e foram perseguidos por uma floresta e o menino se chamava Anton, levou um tiro e morreu…a menina foi achada e deram a blusa do menino ensanguentada para ela e ela enfiou o dedo no buraco da bala na blusa…gostaria muito de assistir esse filme de novo…não faço idéia de qual seja…sera que você pode me ajudar, desde já agradeço bj, Alê.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *