Birdman

Riggan Thompson não sabe bem para onde ir. Depois de ganhar muito dinheiro e ficar famoso interpretando Birdman numa série de filmes de super-heróis, ele resolve buscar algo além do imediatismo, o aplauso. Em sua tentativa de dirigir e estrelar uma peça de teatro na Broadway e se transformar num ator sério, Thompson quer garantir não apenas sua sobrevida na profissão, mas encontrar um mínimo de sentido em continuar. Seja no trabalho, no mercado ou na vida. Thompson vive seu drama com tanta intensidade, sempre tão preso a seus problemas banais, que aqui e ali precisa escapar para outros mundos para se ver livre.

Michael Keaton está especialmente bem em Birdman. Provavelmente sua personagem não teria a força que tem se não fosse ele, com todo seu histórico de Batmans e Beetlejuices, o intérprete. A crise de Riggan Thompson – um pacote que envolve o peso da idade, a busca por reconhecimento, o medo da decadência – ganha outros contornos na performance ansiosa do ator, promove algumas sinapses e parece quase metalinguística quando investigamos o passado de pária do próprio Keaton. Mas como manda o manual dos “filmes de elenco”, ele não está só nos merecimentos: todos os outros em cena chamam a atenção. Edward Norton tem sua melhor interpretação em anos; Emma Stone revela sua maturidade como atriz; Naomi Watts parece ter voltado à boa forma.

Zack Galifianakis, Andrea Risenborough e Amy Ryan também têm, cada um, seus momentos sob os holofotes. Todos estão a serviço da intensidade que Iñarritu tenta impor ao filme, nervoso, orgânico, quase incontrolável na maior parte do tempo. E não apenas por causa de sua câmera “viva” e de seus planos-sequência em sequência, que tentam dar a impressão de non-stop, como no mítico Festim Diabólico, de Alfred Hitchcock, mas pela verborragia de todos os diálogos de todas as personagens, em todos os momentos, ao longo do filme inteiro. O diretor realmente quis cercar o espectador pela esquizofrenia dos bastidores da Broadway e pelos dilemas existenciais de Thompson, que não oferecem segurança nem a ele nem a ninguém.

Tanta eletricidade flerta com a afetação. Curiosamente são as cenas de Birdman, o herói fictício, as mais sóbrias do filme, o que cria uma certa contradição com algumas das propostas do filme. Com seu homem pássaro, Iñarritu levanta a voz contra a indústria do cinema e seus blockbusters com gente superpoderosa, contra a empostação do ator de teatro e da Broadway, contra a crítica e a imprensa que cobre cultura. Seu protagonista em crise reflete não apenas os dilemas do artista, mas as insatisfações do cineasta com o meio sob diversos prismas. Birdman vive dessa ironia. Iñarritu, em seu melhor filme, trocou suas histórias cruzadas e seus fatalismo por uma discussão um tanto antiga sobre a indústria da arte, mas encontrou no formato, no humor negro e nas interpretações uma maneira de tornar seu filme uma obra urgente (ou pelo menos de fazer parecer isso).

Birdman (ou A Inesperada Virtude da Ignorância) EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha½
[Birdman (or The Unexpected Vortue of Ignorance), Alejandro Gonzalez Iñarritu, 2014]

Comentários

comentários

7 comentários sobre “Birdman”

  1. Chico, assisti ontem ao filme. Gostei especialmente da trilha sonora. Tinha lido outras críticas antes de ler a sua, e acho que concordo mais com você. Abs.

  2. Não assisti ainda. Mas, logo que tomei conhecimento sobre o filme e li a respeito pensei: Michael Keaton – o Batman baixinho que precisou usar salto nas botas para ganhar porte – possui um histórico que lembra ao do personagem. Isso já me chamou atenção para o filme.

  3. Esse filme é ótimo, principalmente pela direção de Iñarritu, mas em especial, adorei o Michael Keaton no papel, torço pelo seu reconhecimento nesse trabalho no Oscar desse ano. Ótima crítica.

  4. Uma das grandes sacadas foi fazer o personagem-blockbuster-do-passado do protagonista conferir a ele “superpoderes” para que ele possa fugir da realidade que seu personagem-blockbuster-do-passado proporcionou.

  5. Estou decepcionado comigo mesmo.Queria ter amado este filme ,por gostar de filmes que caminham na contra-mão do que é o comum em produções americanas,por ter uma mensagem e por ver que a maioria está adorando Birdman.Mas infelizmente não achei uma obra maravilhosa,apenas um filme regular.Gostei apenas das atuações de Keaton e da Watts e não gostei da trilha sonora. Acabei gostando mais de O Jogo da Imitação.Será que eu estou louco Chico?

    1. Que nada, louco é o mundo. Eu gostei bem mais de “Birdman” do que do “Jogo”, mas o jeito que um filme bate é diferente pra cada um.

      1. Isso é verdade.Quando assisti Cidade dos Sonhos,amei o filme e até hoje é um dos meus preferidos,mas muitas pessoas odiaram o filme e até acusaram
        o diretor de ser charlatão.Do mesmo jeito foi com O Homem Duplicado.Por sair da mesmice em que os filmes de hoje estão,eu queria ter gostado mais de Birdman, Mas o maravilhoso de amar esta arte é isso:gostar de filmes que não se esperava muito ou não ser envolvido por aquele que era colocado todas as fichas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *