Os Escolhidos

Os Escolhidos é um filme raro nos dias de hoje. Um longa que nega a compulsão exibicionista com que a internet, a TV e o cinema, principalmente quando o gênero é o terror, nos acostumaram. Atualmente, tudo é explícito, como se houvesse uma necessidade primordial de se mostrar o que está por trás, de revelar, de provar o que é sugerido. O filme de Scott Stewart, embora tenha ingenuidades e não consiga dar tanta textura a sua trama, resgata o poder da insinuação, a sedução pelo mistério.

Keri Russell e Josh Hamilton – ela ótima, ele OK – comandam uma família que vê sua casa ser alvo de acontecimentos inexplicáveis, que se tornam cada mais vez mais ameaçadores com o passar dos dias. O diretor, que havia assinado o fraco Legião e o bzão divertido Padre, cria algumas cenas assustadoras, como uma que parece uma homenagem a Alfred Hitchcock, mas o maior mérito do filme é costurar horror e ficção-científica silenciosamente, transformando o filme lentamente na frente do espectador.

A trama, embora recicle muitas ideias comuns a filmes como este, sobretudo longas mais antigos, é bem executada, seja na direção de atores, seja na delicada construção visual do filme. É este cuidado que pede paciência ao espectador já acostumado a “enxergar o inimigo”, administra a tensão sem grandes artifícios e, a partir de um clima de suspense genuíno, faz de um longa ordinário uma experiência saborosa.

Os Escolhidos EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Dark Skies, Scott Stewart, 2013]

Filmes do Chico também no Facebook, Twitter e Instagram (@filmesdochico).

Comentários

comentários

2 comentários sobre “Os Escolhidos”

  1. Muito legal a leitura que você fez da atmosfera. Foi isso que senti também. E fica os destaques para a cena-chave com o ótimo J.K. Simmons e um certo momento precoce em que o cineasta pega o espectador no contrapé. Tá aprendendo…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *