[mau gosto existencialista]


Não importa se você é dos que amam ou dos que odeiam Darren Aronofsky. Não faz a menor importância o que você pensa sobre Pi (1998) ou Requiém para um Sonho (2000) ou se ficou feliz ou arrasado com os cancelamentos de seus contratos para fazer o filme dos Watchmen ou o projeto Batman: Ano Um. Tudo porque eu desejo o seu bem e você tem que me prometer que não vai se enganar pelo novo projeto do diretor. Fonte da Vida é uma catástrofe absoluta, um filme que me surpreendeu. Por não ter recebido todas as vaias que merece.

Eu, se fosse você, e tivesse aquele viés espírita escondido, tratava de assassiná-lo porque , das duas uma, ou você acha acertadamente que aquilo que se vê na tela é tudo uma grande patetada (ora ingênua e estúpida, ora gananciosa e perversa) ou, e acho que essa possbilidade tem mais chances de acontecer, suas crenças podem deixar com que você olhe com um certo carinho para um tema tão interessante quanto os planos de existência e a evolução do nosso espírito imortal.

Eu realmente concordo que o assunto guarde seu interesse, mas, você há de convir (ou não, mas aí é com você), que a metafísica barata e a filosofia de botequim – que, creia, é pior do que a das obras de Kim ki-duk – de que Aronofsky impregna o filme não é a maneira mais adequada para abordá-lo. E você gostava do Hugh Jackman como Wolverine, mas aqui ele tirou férias da arte de interpretar. De tão obcecado, o personagem dele parece ser uma metáfora do diretor, querendo fazer um filme destes. A Rachel Weisz, mais sabida, mal aparece.

Mas se fosse apenas um desperdício de texto e de tempo, Fonte da Vida seria apenas um filme ruim entre tantos outros. No entanto, esse cenário se agrava com o tom brega que domina cada frame do filme, seja no(s) romance(s) ou na execução dos efeitos visuais, os mais horrendos que eu tive a oportunidade de assistir. Um mau gosto megadimensionado, megalomaníaco que tenta vender um filme assustador de tão ruim – e, o pior, um filme pérfido por tentar cooptar o espectador para seu embuste.

[fonte da vida ]
direção e roteiro: Darren Aronofsky, baseado em estória de Darren Aronofsky e Ari Handel.
elenco: Hugh Jackman, Rachel Weisz, Marcello Bezina, Alexander Bisping, Ellen Burstyn, Mark Margolis, Cliff Curtis, Sean Gullette, Donna Murphy, Ethan Suplee, Sean Patrick Thomas.
fotografia: Matthew Libatique. montagem: Jay Rabinowitz. música: Clint Mansell. desenho de produção: James Chinlund. figurinos: Renée April. produção: Arnon Milchan, Iain Smith e Eric Watson. site oficial:
Fonte da Vida. duração: 96 min. The Fountain, Estados Unidos, 2006.

nas picapes: [superstar, sonic youth]

Comentários

comentários

24 comentários sobre “[fonte da vida]”

  1. Aronofsky fazendo besteira (ou não) Fonte da vida é um giro sem volta, um começo sem fim… enfim uma grande confusão…

    Acho que esse filme dele ta sendo esculhambado por ser diferente das temáticas psico-comportamentais dos seus antecessores… Sem comentários¬¬

  2. Como eu sempre vejo os filmes atrasado, sempre comento atrasado. Então ninguém vai ficar sabendo que eu gostei do filme. Ok, nada de paixão, como tantos, nem de execração pública, como outros mais. Mas gostei principalmente de tudo que vem sendo apontado e execrado: o brega pra caralho, a pretensão, o exagero. Ou então o filme me pegou num bom humor suficiente para eu achá-lo sincero e simpático.

  3. Adoro estes comentários que batem depois sopram.

    Gilvan, a questão nunca foi o quanto eu conheço sobre cinema, mas o que eu acho de “Fonte da Vida”, que não apenas eu, mas muita gente acha um dos filmes de mais mau gosto visual na história. Leia a Paisá.

    Sua comparação é descabida. “Fome Animal” é um filme pequeno, artesanal, de terror, com intenções minúsculas e um visual orgulhosamente tosco (vc não conhece os primeiros filmes do Sam Raimi?). “Fonte da Vida” é uma megaprodução, com intenções gigantescas, ambicioso, e, por mais que tente ser lindo, é brega pra caralho.

  4. Oi Chico, achei seu blog por acaso. Li seu comentário sobre Fonte da Vida e pensei aqui: Gosto é gosto. Mas vamos entrar mais profundamente. Vc entende cinema ou acha que entende?
    Não gostar do filme eu até aceito, mas achar os efeitos os mais horrendos que vc ja viu? isso só mostra que vc conhece pouco cinema. Ja viu Fome Animal do Peter Jackson? ia chorar de rir.
    Quem sabe daqui alguns anos vc reveja esse post seu.
    Um abraço
    Gilvan

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *