Atenção! Este texto contém MUITOS SPOILERS para quem não viu o episódio final de Lost.

Todos nós, amantes da narrativa clássica com começo, meio e fim, adoramos explicações lógicas para tudo. Mas como fazer uma série de ficção-científica com implicações místico-religiosas parecer simples? Quando Lost surgiu em 2004 todo mundo ficou excitado simplesmente porque aquilo era completamente diferente das investigações criminais, ataques alienígenas e mulheres consumistas que dominavam nossa televisão. A série conquistou sua legião de fãs apenas por sua originalidade. Agora, a relação é diferente: todo mundo quer tudo explicadinho.

Pois bem, Lost explicou. E o finale, exibido ontem nos EUA e disseminado pela internet para o resto do planeta, é bastante coerente com todo o projeto. Ao longo de seis anos, a série sempre foi uma experiência com o fantástico. Na maioria das vezes, esbarrava em elementos kitsch, de gosto duvidoso e principalmente arriscados por chegar perto de colocar em cheque a credibilidade de tudo aquilo. Mas mesmo assim, os criadores nunca deixaram de curar doenças e deficiências, introduzir deuses e monstros… de fumaça. E principalmente fantasmas. Se teve uma coisa que nunca faltou em Lost foi um fantasminha.

Então, é estranho que uma possibilidade que sempre esteve nas mesas redondas sobre a série tenha sido mal recebida. Na minha opinião, qualquer que fosse o final de Lost seria mal recebido diante da gigantesca expectativa criada em torno dos mistérios da série. Mas, justamente a opção mais coerente? E, olha, uma opção nada fechada. Vamos pensar: todos estão mortos, sim, mas desde quando? Na conversa com o filho, Christian Shepard dá três pistas importantes: 1) tudo realmente aconteceu; 2) alguns dos amigos de Jack podem ter morrido muito depois dele; 3) aquela realidade foi construída por eles.

Para muita gente, a interpretação parece ter sido de que a ilha seria o Purgatório e que todos os passageiros do vôo Oceanic 815 estavam mortos desde o começo, mas não acho que seja tão simples assim. Os flashbacks que fazem os personagens lembrar dos eventos ocorridos na ilha mostram que eles lembram de coisas que só aconteceram neste último capítulo, o que indica que o que nós chamávamos de realidade paralela acontece, na verdade, depois de tudo o que se passou na ilha. E tudo o que se passou na ilha, como explicou o dr. Shepard pai, realmente aconteceu. Foi lá que Hurley conheceu Libby, que nasceu Aaron, que Locke voltou a andar, que Jack se interessou por Kate que se interessou por Sawyer que se interessou por Juliet que se interessou por Jack.

 

Esses laços são sedimentados, ou melhor, reverenciados no último episódio. E eu não falo apenas do amor óbvio entre o Superman Jack e a Mulher-Maravilha Kate, mas do respeito mútuo entre o Super e o Batman Sawyer, do belíssimo reencontro entre Charlie e Claire ou do coração gigante de Hurley, que escolhe Ben para ser seu braço direito. Praticamente todos os personagens da série foram de um extremo a outro ao longo destes seis anos. E essas mudanças de perfil (Jack de herói a drogado, Sawyer de vilão a líder, Ben de encarnação do demônio a encarnação do demônio generosa) vieram da convivência na ilha.

Os laços formados entre os personagens numa condição adversa determinou aquela realidade paralela. É bem brega, eu sei, mas extremamente coerente. À medida que foram morrendo, cada um foi sendo “guardado” ali, naquele espaço onde todos os eventos importantes que aconteceram na ilha foram “rearranjados”. Mas Lost, apesar de todos seus elementos metafísicos, na minha opinião, é muito mais sobre a organização do cubo mágico do que sobre o cubo em si. Os paralelismos, as viagens temporais, os deslocamentos no espaço e os fantasminhas camaradas me parecem uma tentativa do próprio universo de se rearrumar e se deixar lógico.

Jacob e seu irmão existiam. A ilha existia. Mas eram os personagens que faziam a engrenagem funcionar. Lost é muito sobre o mecanismo que move as possibilidades. E, como tal, nunca pode ser fechado. Tudo é mutável, tudo pode ter múltiplas interpretações. Apesar de vários tropeços e momentos de enchimento de linguiça ao longo destes anos todos, o projeto de Lost sempre me pareceu forte e corajoso pela complexidade dos temas que aborda. Se a série é sobre como tudo é possível e sobre como tudo se rearranja, um episódio final que nos deixa cheios de dúvidas encerra o projeto de uma maneira bem eficiente.

Só sei de uma coisa. E isso só cabe a mim, ninguém precisa concordar. Lost foi a série que mais me deixou apaixonado e irritado em toda a minha vida. É minha série favorita mesmo com tantos senões. Mas, como tudo pode mudar, talvez quando eu acordar eu ache que isso é tudo bobagem e reescreva este texto, talvez eu fuja de um urso polar, talvez eu volte pros anos 70 ou talvez eu pule numa caverna com um luz dourada assim meio Power Rangers só pra ver onde vai dar. No mundo de Lost, dá pra fazer tudo isso e mudar tudo depois.

Comentários

comentários

17 comentários sobre “Lost: a série a minha vida”

  1. Achei o final tão fraco, fiquei muito desapontada com o que aconteceu em Lost. Senti como que perdi 6 anos. A maior parte das pessoas não gostou, é só ver no twitter. #porralost #lostlame e #fucklost são uma das buscas boas para mostrar o que muita gente achou.

    Na timeline @lostfinale as opiniões estão quase divididas.

    Se eles estavam como estavam no final, se o final era só aquilo, eles colocaram elementos demais apenas para nos confundirem. Nem tem graça criar teorias depois de ver o final, as perguntas não precisam ser mais respondidas porque o interesse acabou, talvez uma criança soubesse fazer uma redação na categoria que Lost foi como história.

    napenry@gmail.com

  2. Fernando, eu também chorei cataratas com o novo parto do Aaron. Concordo com o que vc disse sobre como tudo só é possível por ter sido construído ao longo de tanto tempo.

    Usde, eu nunca acreditei que o Ben estava totalmente do lado do EvilLocke, afinal ele sempre está do lado dele mesmo. E ainda assim ele foi traído pelo EvilLocke, não lembra?

    Thaís, eu acho que eles não só simplesmente se encontraram porque não era uma realidade paralela, mas uma realidade á frente. Acho que é por aí.

    Jr., foi meu momento favorito também. A Kate me reconquistou ali.

    Guilherme, acho que as imagens redentoras da igreja são bem questionáveis, sim, mas se a gente pensar direitinho, fazem muito sentido.

  3. Povo que quer tudo explicadinho, esquece que Lost não está muito distante da fantasia RPGista com elementos de sci-fi que na verdade não estão lá para explicar e sim para adicionar. Nada era para ser explicado. “Perguntas vão levar a outras perguntas sempre” é a idéia que passaram muito antes do final. A maioria das “dúvidas” serão sanadas se você reassistir e raciocionar, outras nunca serão respondidas. Pássaro do Hurley? Estátua gigante? A “rolha da luz” que alguns desses chatos mereciam levar no…? Nada disso interessa.

    O que interessa é que durante o parto de Aaron eu chorei como nunca havia chorado durante um programa de televisão na minha vida e sei que, só seria possível essa emoção porque, ela foi construída ao longo de 6 demorados anos, como nenhum filme seria capaz de fazer e com a mãozinha de Michael Giancchino – que me faz emocionar pela segunda vez com sua música – em um momento sem preço.

    ISSO é que interessa, não as explicações, o final que cada um gostaria para seu personagem favorito ou a sua visão de como deveria ser a última cena. O maior vilão da série não é o Lostzilla/fumacinha/indigente/homem-de-preto/etc, mas sim a expectativa. Contra ela, apenas os sentimentos.

    Ótima crítica a sua. Também escrevi uma falando exatamente sobre isso. =] Parabéns e somos agora orfãos de Lost.

  4. foi mal fica floodando, mas lembrei de outra coisa..

    o ben no começo tava ajudando o fumacento, depois do nada ele passa pro outro lado.. wtf?!?!? sem contar aquela parte que sem proposito nenhum cai a arvore nele e do nada ele se solta..

  5. Concordo com vc, Chico. Eu ainda não sei porque na realidade paralela eles simplesmente não só se encontraram… ainda fico na dúvida porque a mae do faraday sabia de tudo, se aquilo na verdade era uma realidade paralela aos moldes de fringe e eles simplesmente se lembraram das coisas lá… mas o final foi muito muito emocionante, acho que digno de discussoes eternas, porque é assim que os clássicos nascem, nao é mesmo? Se a gente soubesse se a Capitu traiu o Bentinho logo de cara, não seria um clássico. E o mesmo acontece com Lost. Achei genial.

  6. Chico, querido, parece haver uma parcela de pessoas disposta a xingar, chamar de fraco, etc e tal o último episódio. Bem, é direito de cada um, assim como é o meu de ter ficado satisfeito. Eu chorei, sorri, reclamei, torci, fiquei nervoso,bati pé, chorei de novo. Quantas séries, filmes ou pessoas fizeram isso comigo na vida? Não muitas.

    Enfim, pra mim, valeu. Valeu mesmo. E foi muito bom esses 6 anos, entre altos e baixos.

    Belo texto, onde consigo não só concordar, mas perceber que a gente às vezes exige demais, é sério demais, inteligente demais e se esquece do elemento fantástico que sempre nos interessou. Pela aventura, que é o maior barato. Uma grande brincadeira para quem quis participar.

    beijoca

  7. Cara a princípio eu achei bem fraco esse final.. por não ser uma teoria tão mirabolante e por não sanar muitas dúvidas.. mas agora pensando um pouco melhor até que não foi tão ruim mesmo, pelos pontos que você apontou.

    Agora o que eu achei tosco mesmo foi que esse final foi muito piegas, muito final de novela da globo… todo mundo casa, encontra a resposta, a redenção na pessoa amada e dã.. praticamente idêntico pra todos os personagens.. meio manjado..

  8. Que alivio poder comentar sem me preocupar com quem não pode ler

    Cara, acho essa leitura que você disse que a maioria teve nonsense. Não cruzou a minha cabeça até. É reducionista, e quem viu provavelmente vai achar mesmo incoerente, sem sentido.

    Pra mim tudo parece evidente. Eu captei da forma mais direta que vi: essa realidade nova como um espaço onde essas pessoas que viveram intensamente aquilo hoje estavam meio perdidas, até que alguém as forçasse a se relembrar do que viveram, para enfim seguir. Só isso. A ilha e tudo mais é o presente, ou a narrativa principal, é o que ela é. Jack fez o que tinha que fazer, Hurley seguiu o legado – não a toa fala com o Ben no fim. Um grupo volta, o mundo continuou. Sei lá, é o que vi. Achei meio bobo demais, aquela imagem de todos se abraçando em clima de aleluia, preferia ver mais cenas de como tudo seguiu, mas isso não muda que o que aconteceu, de fato aconteceu. Isso é dito. Que teve muito pelo caminho, claro que teve, várias coisas parecem fora de lugar, mas acho que a parte final não. Acho que ali eles já tinham uma idéia.

    Acho uma pena só que não há relevancia dada ao Richard no fim – ele envelhece e sai d ailha depois de tanto tempo e isso nem é uma questão… Sei que ele não é principal, mas se dedicam um episódio a alguém é por que alguma relevancia tinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *