Abdellatif Kechiche
Vênus Negra EstrelinhaEstrelinha
Vénus Noire, Abdellatif Kechiche, 2010

Eu sempre fico questionando um filme que, sob o pretexto de denunciar uma barbaridade, a reproduz no melhor estilo de sadismo. Abdellatif Kechiche é um cineasta respeitado, ganhou prêmios importantes e fez filmes elogiados. Teoricamente, não precisaria deste artifício, mas Vênus Negra, apesar de ser um filme de qualidades, opera no limite do excesso. Kechiche introduz a história que, ao final sabemos ser real, da africana levada para a Europa como monstro de circo na base do desconforto com cenas que retratam a humilhação pela qual a protagonista passou e, ao longo do filme, promove uma das “descidas ao inferno” mais cruéis dos últimos tempos. O diretor investiga a maldade humana assumindo para si a perversidade dos “vilões”, adotando a estética do choque como modelo narrativo. Embora seja muito bem encenado e produzido, este é mais um filme que ganha pela espetacularização do sofrimento, justamente o que ele parece querer denunciar.

Shinboru
Símbolo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
Shinboru, Hitoshi Matsumoto, 2009

Nada que a Mostra 2010 exibiu neste ano lembra de longe este Símbolo. O filme de Hitoshi Matsumoto, que também é o protagonista, abusa da liberdade narrativa, visual e de roteiro, criando uma comédia deliciosa, lúdica, mágica e perturbada que evoca Jerry Lewis, mas tem a melancolia de um Jacques Tati. O cineasta carrega na simbologia, nunca oferece metáforas imediatadas e transforma seu longa num manifesto que pede atenção para o mundo de hoje. Belíssimo.

Danis Tanovic
Cirkus Columbia EstrelinhaEstrelinha
Cirkus Columbia, Danis Tanovic, 2010

O esfacelamento da Iugoslávia ganhou mais um rebento. Desta vez em forma de pequena comédia dramática sobre a volta de um pai pródigo para casa. Danis Tanovic nunca ousa: faz um filme simpático, vendável, mas toca em assuntos sérios como família, primeiro amor e deveres para manter o respeito. Miki Manojlovic reprisa tipos que viveu em filmes como Underground, sem a grandiosidade, mas com um toque mágico na cena final, uma epifania. O mais curioso foi ver Danielle Rousseau, de Lost, fora da ilha, como a mãe da protagonista, falando em bósnio. Indicação da Bósnia ao Oscar 2011.

Jacek Borcuch
Tudo Que Eu Amo EstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
Wszystko, co Kocham, Jacek Borcuch, 2010

Tudo Que Eu Amo é todo pequeno. O cenário é a Polônia do começo dos anos 80, com o crescimento do Partido Solidariedade de Lech Walesa e das tentativas das autoridades socialistas de minar sua força. Apesar do tom melancólico, o filme exala uma leveza impressionante, promovida pelo protagonista, um adolescente que comanda uma banda de rock. O diretor Jacek Borcuch explora essa juventude como força política, deixando as ações dos personagens como reações imediatadas de quem está começando a descobrir o que não gosta no mundo.

Olivier Laxe
Vocês São Todos Capitães EstrelinhaEstrelinha
Todos Vós Sodes Capitáns, Oliver Laxe, 2010

O filme de Olivier Laxe demonstra toda a falta de maturidade do cineasta, para o bem e para o mal. Ao mesmo tempo em que mostra que está disposto a criar, mudando de perspectiva a cada minuto, trabalhando no limite entre realidade e ficção, Laxe esbanja pretensão: enche o filme de maneirismos cult no formato e na narrativa, explora os personagens reais a seu bel prazer, cria cenas de puro onanismo como a em que sua mãe o visita e parece se auto-sabotar o tempo inteiro. É interessante, mas irrita.

Le Thanh Son
Impacto EstrelinhaEstrelinha
Bay Rong, Le Thanh Son, 2010

O Vietnã dá sua versão para o cinema de ação asiático numa comédia que homenageia e satiriza o gênero. A protagonista reúne todos os clichês das heroínas de ação: é dura, forte e prendada nas artes marciais, guarda um segredo e tem seu trauma contado aos poucos. O filme é simples, mas passa rápido, mas diverte do começo ao fim.

Comentários curtos e primeiras impressões no Twitter

Todos os filmes vistos na Mostra SP 2010

mais Mostra SP:

Indicados ao Oscar de filme estrangeiro na Mostra SP
Metrópolis, de Fritz Lang, restaurado, exibido de graça
Top 20 Mostra SP 2009

Comentários

comentários

4 comentários sobre “Mostra SP 2010: post 9”

  1. Puxa vida, pelo visto perdi um filmão, acabei chegando um pouco atrasado.
    Nas Mostras geralmente eu gosto dos filmes mais doidos, ainda bem que tive a sorte de assistir “A Casa de Palha”, sensacional!
    Tão doido que metade do público deixou a sala no meio da sessão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *