Maio vem aí e com ele chega em breve às telas o longa-metragem do Homem de Ferro. O filme promete por três razões: é a primeira incursão solo da Marvel no cinema, escolheram um ótimo ator (Robert Downey Jr.) e Jon Favreau parece um diretor que conhece o tema. Que tal, então, lembrar dos filmes da nova fase da Marvel nos cinemas, de 98 até hoje? Do melhor ao pior.

1 X-Men 2 (2003), de Bryan Singer

É o caso mais bem resolvido de mutação secundária da Marvel nos cinemas. Personagens bem desenvolvidos, roteiro inteligente, cheio de nuances, e o aproveitamento de todo o conteúdo político das aventuras dos heróis mutantes. Bryan Singer acertou a mão em tudo. Chorei em algumas cenas.

2 Homem-Aranha 2 (2004), de Sam Raimi

Absolutamente fantástico. Tobey Maguire ainda melhor do que no primeiro episódio e interpretações belíssima de Kirsten Dunst e Rosemary Harris. O visual do vilão, Dr. Octopus, compensou o quesito mais fraco do primeiro filme. Melhor trabalho de Sam Raimi. A cena do Aranha desmascarado dentro do trem é uma das melhores da história.

3 X-Men (2000), de Bryan Singer

Bastante correto, embora as adaptações cronológicas tenham me incomodado um tanto. Hugh Jackman é uma surpresa estrondosa. Seu Wolverine é o maior êxito do filme, com Bryan Singer começando a tatear o universo mutante com respeito.

4 Homem-Aranha (2002), de Sam Raimi

Belo filme, mas a solução visual para o Duende Verde foi um erro. Tobey Maguire se revelou a encarnação de Peter Parker e Kirsten Dunst não fica muito atrás com sua Mary Jane. As cenas do herói cruzando a cidade em suas teias são tudo o que os fãs esperavam.

5 Blade II (2002), de Guillermo del Toro

Del Toro deu um novo fôlego para o personagem-vampiro, embora Wesney Snipes seja muito chato. O roteiro é bem amarrado e traz novos horizontes para o universo do anti-herói.

6 Hulk (2003), de Ang Lee

Sou um grande fã do Ang Lee, mas não acho que ele era o diretor certo aqui. Há um belo trabalho na montagem que homenageia as HQs e na direção de atores – principalmente Jennifer Connelly, – mas a entrada em cena do pai de Bruce Banner, papel destetável de Nick Nolte, fez o filme caminhar por uma trilha psicológica nada a ver. Eu adoro o monstro.

7 Homem-Aranha 3 (2007), de Sam Raimi

Vilões demais atrapalharam um pouco e o texto realmente caiu. Nossos eternos protagonistas já estavam meio cansados. Quem rouba a cena é Thomas Haden Church, que brilha na cena com a família.

8 X-Men: o Confronto Final (2006), de Brett Ratner

A mudança de comando foi fatal. Caiu a qualidade do texto, das leituras. A Saga da Fênix Negra, espinha dorsal do filme, reduzida a pó. Quem se salva é a Ellen Page, pré-Juno, como a adorável Kitty Pryde.

9 Blade (1998), de Steve Norrington

Não é grande coisa, mas é correto. E foi quem fomentou o terreno, então já ganha pontos…

10 Demolidor (2003), de Mark Steven Johnson

Dá pra notar que Johnson queria fazer um filme carinhoso, mas tudo é muito fraco, a começar pelo protagonista Ben Affleck. O que sobra é um rascunho do que este filme poderia ter sido.

11 Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado (2007), de Tim Story

Melhor um pouco do que o primeiro porque a gente já havia se acostumado com as limitações. O Surfista é legal, mas não tanto quanto queriam. Que diretor é esse, pelamordedeus?

12 Quarteto Fantástico (2005), de Tim Story

Todo mundo falou que é legalzinho porque os personagens são simpáticos, mas é fraquíssimo. a única escalação certa foi a de Chris Evans, que faz bem o playboyzinho Johnny Storm. O resto do elenco deixa muito a desejar, assim como os efeitos e o texto bobo. Reed Richards virou um imbecil.

13 Blade Trinity (2004), de David Goyer

O visual é lamentável, de comercial de sabonete. Muita câmera lenta, muita imagem rapidinha. E uma trilha eletrônica que não é ruim. Ruim mesmo é o que o diretor escreveu para o personagem de Ryan Reynolds. Como o ator não ajuda…

14 Motoqueiro Fantasma (2007), de Mark Steven Johnson

Outra cagada de Johnson, que tem muito boa vontade, mas talento que é bom falta. Parece filme vagabundo feito para TV.

15 Elektra (2005), de Rob Bowman

Risível. Conseguiram sepultar uma personagem riquíssima num modelo ‘patricinha-de-colete-manda-ver’. Mais teen, impossível.

Não vi:

O Justiceiro (2004), de Jonathan Heinsleigh
Homem-Coisa (2005), de Brett Leonard

Comentários

comentários

16 comentários sobre “Os filmes da marvel”

  1. I’m really loving the theme/design of your weblog. Do you ever run into any web browser compatibility problems? A number of my blog audience have complained about my website not working correctly in Explorer but looks great in Safari. Do you have any tips to help fix this problem?

  2. X-Men 2 é o melhor dos filmes da série que já assisti, muito mais história e ações do que os outros. Homen Aranha 2 também acho que é o melhor da série, até tirou aquela cara e jeito de idiota que o Dr. Octopus tinha nos desenhos, compare.

  3. bah,

    nunca antes tinha concordado 100% com uma lista,

    e não assisti a justiceiro ou homem coisa.

    2 pontos:x-men 2 é perfeito. já deu pra superara as aberrações cronológicas do primeiro e aceitar certos “compromises”.

    a cena de spider sendo desmascarado no trem … fico emocionado toda a vez que vejo.

    ótimo site.

    cheers.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *