No próximo domingo, acontece o Globo de Ouro, envolto num escândalo de compra de votos e corrupção, mas antes vamos atualizar as apostas para o Oscar. O número de candidatos com chances reais já está bem mais apertado em várias categorias, principalmente nas de elenco, já que agora somente as indicações ao Bafta (dia 9 de março) ainda faltam sair. O próximo mês também traz os finalistas aos sindicatos dos produtores e diretores, que devem apontar para os caminhos finais da temporada. No geral, as últimas semanas foram importantes para Bela Vingança, O Som do Silêncio e, principalmente, Judas e o Messias Negro, que cresceram na disputa ou mantiveram uma tendência de crescimento.

Nomadland ainda é o filme mais premiado do ano e Os 7 de Chicago parece ser a resposta da indústria que mais se opõe ao filme de Chloé Zhao. Situação curiosa, já que o primeiro é “o indie” da temporada, mas é da Searchlight (ou seja, tem a Disney por trás), enquanto o longa de Aaron Sorkin é da Netflix, que até ontem era o terror dos estúdios tradicionais. Este ano, tudo indica mesmo que o serviço de streaming vai emplacar três candidatos em melhor filme e a possibilidade de um quarto, Destacamento Blood, ainda existe.

Isso sem falar que outro serviço de streaming, a Amazon, tem duas boas apostas para a categoria principal: o já citado O Som do Silêncio e Uma Noite em Miami, de Regina King, que parece, inclusive, mais consolidado. Os lançamentos tardios não empolgaram Relatos do Mundo, ainda podem ocupar uma vaga mais clássica entre os melhores filmes, mas não é tão certo assim, e Malcolm & Marie parece só resistir numa possibilidade de uma indicação de Zendaya.

Afinei minha lista de apostas na categoria principal para 9, número de títulos que tem sido o mais comum desde que o Oscar mudou a fórmula de indicação (que, por sinal, acaba já no ano que vem quando passam a ser dez indicações fixas para melhor filme). A ordem é, mais ou menos, a de chances do candidato ser indicado.

FILME

Nomadland (Searchlight)
Os 7 de Chicago (Netflix)
Minari (A24)
Bela Vingança (Focus)
Judas e o Messias Negro (Warner)
Mank (Netflix)
A Voz Suprema do Blues (Netflix)
Uma Noite em Miami (Amazon)
O Som do Silêncio (Amazon)

(+)

Relatos do Mundo (Universal)
O Destacamento Blood (Netflix)
Meu Pai (Sony)
Druk – Mais Uma Rodada (Samuel Goldwyn Mayer)
Soul (Disney/Pixar)
The Mauritanian (STX Films)
Nunca Raramente Às Vezes Sempre (Focus Features)
First Cow (A24)

O que a gente comentou lá atrás no Cinema na Varanda parece estar cada vez mais forte: uma tendência a ter pelo menos três mulheres indicadas à direção, com a Chloé Zhao disparada como frontrunner. Emerald Fenell e Regina King têm indicações ao Globo de Ouro e Critics Choice e estão na longlist do Bafta. David Fincher e Aaron Sorkin parecem ser os mais prováveis colegas de indicação, com Spike Lee e Lee Isaac Chung correndo por fora.

DIREÇÃO

Chloé Zhao (Nomadland)
David Fincher (Mank)
Emerald Fennell (Bela Vingança)
Aaron Sorkin (Os 7 de Chicago)
Regina King (Uma Noite em Miami)

(+)

Lee Isaac Chung (Minari)
Spike Lee (O Destacamento Blood)
Shaka King (Judas e o Messias Negro)
Darius Marder (O Som do Silêncio)
Thomas Vintenberg (Druk – Mais Uma Rodada)

Na categoria de melhor ator, Chadwick Boseman, Anthony Hopkins e Riz Ahmed são os que mais parecem seguros, deixando, a princípio, as duas vagas finais para uma disputa entre Steven Yeun, Gary Oldman e Delroy Lindo. Todos estão indicados ao Critics Choice, mas dois primeiros tiveram a benção do SAG. Oldman tem a seu favor ser um veterano, mas Mank empolgou menos do que se esperava. Já Yeun não foi lembrado pelo Globo de Ouro, que praticamente ignorou Minari, mas lidera o elenco de um dos filmes mais queridos da temporada numa temporada que parece muito aberta a minorias. Delroy Lindo parecia que surfaria melhor nesta onda, mas perdeu as indicações ao SAG e Globo de Ouro. Como a lista do SAG raramente bate 100% com a do Oscar, meu palpite é que ele entra na vaga do Oldman. Aguardemos.

ATOR

Chadwick Boseman (A Voz Suprema do Blues)
Riz Ahmed (O Som do Silêncio)
Anthony Hopkins (Meu Pai)
Steven Yeun (Minari)
Delroy Lindo (O Destacamento Blood)

(+)

Gary Oldman (Mank)
Tom Hanks (Relatos do Mundo)
Tahar Rahim (The Mauritanian)
Mads Mikkelsen (Druk – Mais Uma Rodada)
Ben Affleck (O Caminho de Volta)

Carey Mulligan lidera a corrida de atriz num filme feminista e popular e tem a seu favor o fato de suas duas principais concorrentes já terem ganho o Oscar recentemente. Frances McDormand e Viola Davis parecem seguras para uma indicação e Vanessa Kirby ocupa a vaga de “candidatura ousada” do ano. As quatro concorrem ao prêmio do SAG, Globo de Ouro e Critics Choice e estão na longlist do Bafta. A quinta vaga é a grande questão. O Globo de Ouro foi com Andra Day, o SAG preferiu Amy Adams, mas o fato é que nenhuma das duas tem uma trajetória muito regular neste ano. O filme de Andra chegou tarde e não provocou um “wow factor” e muita gente criticou Amy num filme ainda mais indicado. Isso poderia abrir espaço para uma indicação surpresa. Zendaya parecia ser este nome, mas só foi lembrada pelo Critics Choice. Talvez seja a chance de fortalecer a candidatura de Sophia Loren, cuja persona pode comover a Academia, ou apostar em Michelle Pfeiffer. French Exit estreia oficialmente esta semana, bem a tempo de causar burburinho às vésperas de começar a votação para o Oscar. Será?

ATRIZ

Carey Mulligan (Bela Vingança)
Frances McDormand (Nomadland)
Viola Davis (A Voz Suprema do Blues)
Vanessa Kirby (Pieces of a Woman)
Sophia Loren (Rosa e Momo)

(+)

Andra Day (The United States vs. Billie Holiday)
Amy Adams (Era Uma Vez Um Sonho)
Michelle Pfeiffer (French Exit)
Zendaya (Malcom & Marie)
Nicole Beharie (Miss Juneteenth)

Paul Raci perdeu as indicações ao SAG e ao Globo de Ouro, mas ainda parece bem o perfil de indicação de que o Oscar gosta, ainda mais que O Som do Silêncio vive um momentum estendido há algum tempo. Ele pode embalar ainda mais este pacote. Odom Jr., Baron Cohen e Boseman (numa segunda e inédita indicação póstuma dupla) parecem confortáveis na corrida, enquanto Daniel Kaluuya tem crescido muito na temporada graças, também, à boa performance de Judas e o Messias Negro em termos de aceitação. Isso deixaria Bill Murray, mais uma vez de fora, e não permitiria que David Strathairn fosse puxado por um eventual apoio a Nomadland. O que é difícil de mensurar são as chances de Jared Leto, que surgiu ao apagar das luzes e abocanhou uma indicação ao SAG e outra ao Globo de Ouro. Ele é um vencedor do Oscar, o que o deixa no mapa dos votantes, mas sua carreira praticamente se limita a essas duas lembranças e o Bafta não vai ajudar porque ele não está na longlist.

ATOR COADJUVANTE

Leslie Odom Jr. (Uma Noite em Miami)
Daniel Kaluuya (Judas e o Messias Negro)
Sacha Baron Cohen (Os 7 de Chicago)
Paul Raci (O Som do Silêncio)
Chadwick Boseman (O Destacamento Blood)

(+)

Bill Murray (On the Rocks)
David Strathairn (Nomadland)
Jared Leto (Os Pequenos Vestígios)
Frank Langella (Os 7 de Chicago)
Brian Dennehy (Driveways)

É curioso que a temporada mexeu daqui, mexeu de lá e as certezas foram ficando menos certas. Amanda Seyfried não foi lembrada pelo SAG o que é uma má notícia. Ellen Burstyn perdeu a chance no sindicato e no Globo de Ouro e Glenn Close, embora esteja indicada aos dois prêmios, está num filme tão porcamente recebido que nada parece muito fechado. Mas tem uma rainha coreana que permaneceu em pé no meio desse furacão. Yuh-jung Youn não teve indicação ao Globo de Ouro, mas só se fala dela nesta categoria e o “hate” da Associação de Imprensa Estrangeira a Minari quase deixa esta decisão como café-com-leite na temporada. Hollywood jura que descobriu Helena Zengel, indicada a tudo, mas será que um criança vai quebrar a barreira a um filme que não deve conseguir emplacar Tom Hanks? Esta parece ser a categoria (ou uma das) mais disputada que tem ainda em Maria Bakalova uma fortíssima candidata. Se Bakakova ganhar o Globo de Ouro (de atriz principal em comédia), suas chances podem aumentar. Por enquanto, vou apostar em Jodie Foster, que chegou por último, ganhou um nod do Globo de Ouro, e é uma eterna favorita.

ATRIZ COADJUVANTE

Yuh-Jung Youn (Minari)
Amanda Seyfried (Mank)
Olivia Colman (Meu Pai)
Glenn Close (Era uma Vez um Sonho)
Jodie Foster (The Mauritanian)

(+)

Helena Zengel (Relatos do Mundo)
Maria Bakalova (Borat: Fita de Cinema Seguinte)
Ellen Burstyn (Pieces of a Woman)
Olivia Cooke (O Som do Silêncio)
Dominique Fishback (Judas e o Messias Negro)

Em roteiro original, o Writers Guild of America indicou foi com quatro dos cinco desta lista. Minari e Mank, entre outros, não eram elegíveis porque seus roteiristas não são afiliados ao sindicato (o único que tem esta regra). A vaga final foi para Palm Springs, que parece ter chances, mas não ao ponto de derrubar as memórias de Lee Isaac Chung, num filme que realmente foi abraçado pela temporada de prêmios. Quem parece mais frágil é o finado Jack Fincher já que Mank vem sendo mais reconhecido por seus méritos técnicos. Spike Lee e Eliza Hittman seriam duas ótimas apostas, mas parecem um passo atrás de seus concorrentes.

ROTEIRO ORIGINAL

Emerald Fennell (Bela Vingança)
Aaron Sorkin (Os 7 de Chicago)
Lee Isaac Chung (Minari)
Will Berson and Shaka King (Judas e o Messias Negro)
Darius Marder e Abraham Marder (O Som do Silêncio)

(+)

Andy Siara (Palm Springs)
Jack Fincher (Mank)
Eliza Hittman (Nunca Raramente Às Vezes Sempre)
Danny Bilson, Paul De Meo, Kevin Willmott, Spike Lee (O Destacamento Blood)
Pete Docter, Mike Jones, Kemp Powers (Soul)

Esta é uma categoria bastante disputada onde o patinho feio parece ser First Cow. O filme de Kelly Reichardt começou a temporada como o favorito dos críticos, mas foi sumindo pouco a pouco. Mas o site Awards Watch lembrou de uma informação importante: nunca na história o filme eleito pelo New York Film Critics Circle, uma das associações de críticos mais tradicionais dos EUA, deixou de ter uma indicação de roteiro no Oscar. Seria a primeira vez. E o filme de Reichardt tem bastantes defensores. Então, as esperanças de que ela finalmente concorra a um prêmio da Academia estão renovadas, mesmo sem concorrer ao WGA. Os outros quatro em que aposto são fortes candidatos a melhor filme, o que ajuda muito aqui. Dos demais, O Tigre Branco tem crescido, pode surpreender. Borat deve ser muito divisivo, mas é bom lembrar que o primeiro filme foi indicado ao Oscar de roteiro e o sentimento antitrumpista ainda permanece vivo. Relatos do Mundo seria chocante e Charlie Kaufman está em baixa.

ROTEIRO ADAPTADO

Chloé Zhao (Nomadland)
Kemp Powers (Uma Noite em Miami)
Ruben Santiago-Hudson (A Voz Suprema do Blues)
Christopher Hampton, Florian Zeller (Meu Pai)
Kelly Reichardt, Jonathan Raymond (First Cow)

(+)

Ramin Bahrani (O Tigre Branco)
Peter Baynham, Sacha Baron Cohen e + (Borat: Fita de Semana Seguinte)
Luke Davies, Paul Greengrass (Relatos do Mundo)
Charlie Kaufman (Estou Pensando em Acabar com Tudo)
M.B. Traven, Rory Haines, Sohrab Noshirvani (The Mauritanian)

Muita vezes o favorito da temporada nem é indicado, mas a shorlist de 15 finalistas traz praticamente todos os filmes lembrados este ano, então, Time, o mais celebrado deles, parece estar mais ou menos confortável. Dick Johnson é tão fora do usual que isso parece favorecê-lo, além da repercussão da Netflix (mas Crip Cramp é um concorrente interno forte). Welcome to Chechnya ganhou um up ao ser também pré-finalista em efeitos visuais. O filme parece ter muitos defensores. Collective já teve mais fôlego, mas é mais provável que apareça aqui do que em filme internacional. No entanto, ninguém está totalmente seguro e a segunda leva de apostas pode facilmente desbancar qualquer um aqui.

DOCUMENTÁRIO

Time (Amazon)
As Mortes de Dick Johnson (Netflix)
Welcome to Chechnya (HBO)
Collective (Magnolia Selects)
The Truffle Hunters (Sony Classics)

(+)

Boys State (Apple)
Crip Camp: A Disability Revolution (Netflix)
The Painter and the Thief (Neon)
Agente Duplo (Gravitas Ventures)
Até o Fim: A Luta pela Democracia (Amazon)

Interessante que o Oscar sempre surpreende nesta categoria de animação, com um apoio consistente a filmes estrangeiros, sobretudo japoneses (até o Brasil já foi finalista com O Menino e o Mundo), mas parece que este ano não há muito consenso com nenhum título, o que fortaleceu animações “menores” como A Caminho da Lua e Dois Irmãos, projetos mais genéricos que muitas vezes perdem espaço para filmes mais autorais. E até o segundo Os Croods. A disputa maior vai ser entre Soul e Wolfwalkers mesmo.

ANIMAÇÃO

Soul (Pixar)
Wolfwalkers (Apple/GKIDS)
A Caminho da Lua (Netflix)
Dois Irmãos (Pixar)
The Croods: A New Age (Universal/DreamWorks)

(+)

Earwig and the Witch (Studio Ghibli/GKIDS)
No. 7 Cherry Lane (Far Sun Films)
Demonslayer (Funimation)
Trolls: World Tour (Universal)
Lupin III: The First (GKIDS)

Druk – Mais Uma Rodada ficou tão forte na temporada que, além de ser o filme a se bater em filme internacional, começou a aparecer como opção de indicação em várias outras categorias, mesmo que ainda timidamente. Neste quesito, a shortlist também foi bem fiel às repercussões da temporada com raros filmes que ficaram de fora deste Top 15. Quo Vadis, Aida? e La Llorona se consolidaram bastante e parecem ser algo bem próximo de locks para o Oscar. A Sun tem sido mais lembrado do que o irmão de Netflix I’m No Longer Here, mas eles podem trocar de lugar. Nós Duas tem sido consistente também, talvez mais por causa da tradição francesa na categoria e da história fácil e comovente. A Rússia entraria neste mesmo perfil, mas eu não me surpreenderia em ver o filme da Tunísia ou o delicioso docudrama chileno entre os indicados.

FILME INTERNACIONAL

Druk – Mais Uma Rodada (Dinamarca, Samuel Goldwyn Mayer)
Quo Vadis, Aida? (Bósnia-Herzegovina, Neon)
La Llorona (Guatemala, Shudder)
A Sun (Taiwan, Netflix)
Nós Duas (França, Magnolia Pictures)

(+)

Night of the Kings (Costa do Marfim, Neon)
I’m No Longer Here (México, Netflix)
Dear Comrades! (Russia, Neon/Hulu)
The Man Who Sold His Skin (Tunísia, Samuel Goldwyn Mayer)
Agente Duplo (Chile, Gravitas Ventures)

FOTOGRAFIA

Mank (Erik Messerschmidt)
Nomadland (Joshua James Richards)
Relatos do Mundo (Dariusz Wolski)
Tenet (Hoyte van Hoytema)
First Cow (Christopher Blauvelt)

(+)

Minari (Lachlan Milne)
Os 7 de Chicago (Phedon Papamichael)
O Destacamento Blood (Newton Thomas Sigel)
Judas e o Messias Negro (Sean Bobbitt)
Uma Noite em Miami (Tami Reiker)

MONTAGEM

Os 7 de Chicago (Alan Baumgarten)
Nomadland (Chloé Zhao)
Mank (Kirk Baxter)
Yorgos Lamprinos (Meu Pai)
Relatos do Mundo (William Goldenberg)

(+)

O Som do Silêncio (Mikkel E.G. Nielsen)
Uma Noite em Miami (Tariq Anwar)
Minari (Harry Yoon)
Bela Vingança (Frédéric Thoraval)
O Destacamento Blood (Adam Gough)

DIREÇÃO DE ARTE

Mank (Donald Graham Burt, Jan Pascale)
Relatos do Mundo (David Crank, Elizabeth Keenan)
A Voz Suprema do Blues (Mark Ricker, K.O’Hara, D.Stoughton)
Emma. (Kave Quinn, Stella Fox)
A Vida Pessoal de David Copperfield (Cristina Casali, Charlotte Dirickx)

(+)

Uma Noite em Miami (Page Buckner, Janessa Hitsman)
Tenet (Nathan Crowley , Kathy Lucas)
Uma Invenção de Natal (Gavin Bocquet, Rob Cameron)
Mulan (Grant Major, Anne Kuljian)
Os 7 de Chicago (Shane Valentino, Andrew Basema)

FIGURINOS

Emma. (Alexandra Byrne)
Mank (Trish Summerville)
A Voz Suprema do Blues (Ann Roth)
Bela Vingança (Nancy Steiner)
Mulan (Bina Daigeler)

(+)

Relatos do Mundo (Mark Bridges)
A Vida Pessoal de David Copperfield (Suzie Harman, Robert Worley)
Ammonite (Michael O’Connor)
Uma Invenção de Natal
 (Michael Wilkinson)
The United States vs. Billie Holiday (Paolo Nieddu)

MAQUIAGEM

Era uma Vez um Sonho
A Voz Suprema do Blues
Mank
Aves de Rapina
Pinóquio

(+)

As Vidas de Gloria
Os Pequenos Vestígios
Uma Invenção de Natal
Emma.
Uma Noite em Miami

TRILHA SONORA

Soul (Trent Reznor e Atticus Ross)
Relatos do Mundo (James Newton Howard)
Mank (Trent Reznor e Atticus Ross)
Minari (Emile Mosseri)
Os 7 de Chicago (Daniel Pemberton)

(+)

O Destacamento Blood (Terence Blanchard)
O Céu da Meia-Noite (Alexandre Desplat)
Tenet (Ludwig Göransson)
Os Pequenos Vestígios (Thomas Newman)
Blizzard of Souls (Lolita Ritmanis)

CANÇÃO

Uma Noite em Miami (“Speak Now”)
Rosa e Momo (“Lo Si (Seen)”)
Judas e o Messias Negro (“Fight for You”)
Até o Fim: A Luta pela Democracia (“Turntables”)
Giving Voice (“Never Break”)

(+)

Festival Eurovision (“Husavik (My Hometown)”
Os 7 de Chicago (“Hear My Voice”)
Borat: Fita de Cinema Seguinte (“Wuhan Flu”)
Belly of the Beast (“See What You’ve Done”)
Minari (“Rain Song”)

SOM

Tenet
O Som do Silêncio
Relatos do Mundo
Mank
A Voz Suprema do Blues

(+)

Os 7 de Chicago
O Céu da Meia-Noite
Soul
Posto de Combate
O Homem Invisível

EFEITOS VISUAIS

Tenet
O Céu da Meia-Noite
Mulan
Mank
Aves de Rapina

(+)

Welcome to Chechnya
Soul
Problemas Monstruosos
O Grande Ivan
Bloodshot

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *