A lista abaixo é um resumo do melhor eu vi em 2009 no cinema. Valem apenas os filmes que estrearam em circuito. Reduzi o número de filmes para 20 porque, por mais que haja outros bons títulos, eles não chegaram a me envolver, emocionar ou me representar tanto quanto os que eu cito a partir de agora. Minha lista só faz sentido para mim mesmo porque há milhares de possibilidade de interpretar, entender e sentir um filme. O chato seria se todo mundo pensasse igual. Portanto, convido-os para listar seus filmes favoritos de 2009 nos comentários. E vamos ao que interessa.

Henry Selick

20 Coraline e o Mundo Secreto
Coraline, Henry Selick

Henry Selick abandona de vez o traço que se repete nos filmes do mestre dele, Tim Burton: a Alice de Neil Gaiman, um autor cuja obra o cinema engatinha ao tentar adaptar, ganha um visual menos dark e mais próximo das ilustrações de livros infantis. Na coleção de coadjuvantes esquisitos, é o melhor é o mais normal de todos. Wybie quer ser um bad boy, mas isso só até sua vó o chamar de volta para casa. De, de certa forma, traduz o filme. Burton está sempre presente, mas Selick abre a palheta de cores para fazer uma obra à parte, doce, lúdica.

Jonathan Demme

19 O Casamento de Rachel
Rachel Getting Married, Jonathan Demme

Anne Hathaway deixa de lado as mocinhas inocentes que fizeram dela uma estrela e se revela uma atriz de primeira linha com uma personagem que deu uma pausa no rehab para ir ao casório da irmã. O ótimo roteiro foi escrito pela filha do veterano diretor Sidney Lumet, Jenny, que debuta nesta profissão. O texto trata de inúmeras questões de família, mas sabe não se render a lugares comuns, com uma velocidade totalmente própria e soluções simples e inesperadas mesmo para temas explorados à exaustão.

James Marsh

18 O Equilibrista
Man on Wire, James Marsh

O Equilibrista é um documentário à moda antiga, sem o ranço atual de fazer o narrador interferir na narrativa. É essa simplicidade que faz o espectador se envolver com sua história, naturalmente atraente. O grande trunfo do diretor foi limitar as entrevistas do personagem principal porque sua tendência a se considerar um astro poderia comprometer o filme.

Eduardo Valente

17 No Meu Lugar
No Meu Lugar, Eduardo Valente

A fórmula parece gasta (histórias que se entrelaçam e personagens que promovem mudanças nas vidas uns dos outros), mas este filme não faz uso de maneirismos e maniqueísmos como tantos outros. Pelo contrário, Valente constroi com imensa delicadeza cada um de seus personagens e evita fazer juízo de valor sobre suas ações. O resultado é um filme que revigora uma estrutura que parecia viciada e condenada ao denuncismo.

Sam Raimi

16 Arrasta-me para o Inferno
Drag Me To Hell, Sam Raimi

Raimi é o rei do susto. E, convenhamos, isso é básico para esse gênero. O filme recicla (e manipula) zilhões de clichês do cinema de terror, mas tudo é tão bem amarrado, tem uma embalagem tão perfeita, que nada parece velho e, sim, nostálgico. Ao mesmo tempo, não abre mão de soluções trash e não poupa Allison Lohman da melequeira. Esse resgate das raízes, a maneira como Raimi converte os lugares comuns e o final truqueiro – e saboroso – que reproduz a lógica dos filmes de terror fazem desta uma das melhores maldições do ano.

Alain Resnais

15 Ervas Daninhas
Les Herbes Folles, Alain Resnais

O texto do novo filme de Resnais é de uma fluidez de fazer inveja a muitos realizadores novatos. Resnais conduz tudo com uma leveza impressionante até mesmo quando ganha contornos mais dramáticos mais arriscados. O diretor se alimenta de cada palavra para construir o perfil do personagem de André Dussolier, numa interpretação excelente. Um personagem que se transforma incessantemente. Transformações ousadas, mas que nunca fazem o personagem perder sua humanidade.

Laurent Cantet

14 Entre os Muros da Escola
Entre les Murs, Laurent Cantet

É justamente por se afastar dos modelos tradicionais de narrativa (seja no gênero ou fora dele) que o filme se torna tão interessante. À medida em que quem assiste percebe essa liberdade (mesmo que vigiada de longe), ver o filme se torna uma experiência muito mais próxima da realidade, onde o imprevisto dita as regras.

Wes Anderson

13 O Fantástico Sr. Raposo
Fantastic Mr. Fox, Wes Anderson

Parecia uma experiência mais leve, mas todos os temas de apreço do cineasta estão aqui. Antes de tudo, o filme é um delicioso conto moral com uma animação impecável e assumidamente retrô. Ao mesmo tempo, revigora as ideias de Anderson sobre os laços familiares e de amizade. De história para crianças, o conto se transforma em reflexão universal sobre a vida em comunidade. E o cineasta retoma uma questão fundamental a sua obra: a vida em grupo pode ser suficiente quando se macula a própria natureza?

Craig Gillespie

12 A Garota Ideal
Lars and the Real Girl, Craig Gillespie

Primeiro: mesmo com um tema arriscado, este filme não trata o espectador de maneira simplista, fugindo da decisão fácil de partir para a comédia idiota, que anda na moda, e evitando ao mesmo tempo outro lugar comum do cinema indie, um certo namoro com o grotesco, tentando vender o filme pelo esquisito, como faz boa parte da produção independente. Ryan Gosling está soberbo no papel principal.

Paulo Sergio Fontenelle

11 Loki – Arnaldo Baptista
Loki – Arnaldo Baptista, Paulo Sérgio Fontenelle

No meio da produção que mais se destaca na atual cinematografia brasileira, o documentário biográfico musical, este filme é um bálsamo. Paulo Henrique Fontenelle impõe ao filme um ritmo doce e é hábil em construir cenas que abusam da sensibilidade, mas sem excessos. O diretor ainda supre a falta de uma personagem central, Rita Lee, da forma mais digna possível: apresentando seu papel e seu lado da história com respeito.

Corneliu Porumbouiu

10 Polícia, Adjetivo
Politist, Adj., Corneliu Porumboiu

O segundo longa do diretor vai mais além em sua análise da sociedade romena, tratando da burocracia policial. Porumboiu contraria as expectativas, deixando a investigação feita pelo protagonista sempre num plano secundário em relação ao cotidiano do personagem. O diretor abusa dos planos fixos, do ritmo lento e do humor esquisito na composição deste cotidiano, buscando estranhamento. O resultado é um filme interessantíssimo, com uma sequência (a que batiza o longa) nonsense e, ao mesmo tempo, fundamental para os propósitos do diretor.

J J Abrams

9 Star Trek
Star Trek, JJ Abrams

A estética nunca está em primeiro plano. Sempre é coadjuvante de intérpretes e do roteiro, o grande interesse de Abrams. O diretor nunca está interessado em desfilar referências nem nunca se escora na mitologia da série. Para ele, foi muito mais importante estabelecer uma história independente, redonda, mas que saiba ser fiel ao universo que audaciosamente resolveu invadir.

Tomas Alfredson

8 Deixa Ela Entrar
Låt den Rätte Komma in, Tomas Alfredson

Raríssimo exemplar de cinema que sabe inserir o fantástico nos modelos clássicos de gênero. É a típica história do garoto perseguido na escola cuja vida ganha uma reviravolta com a chegada de uma menina à vizinhança. A diferença é quem é a mocinha e que segredos ela guarda. O desenrolar do filme segue uma estrutura igualmente clássica, com a aproximação, a revelação do drama e o confronto com os rivais, mas sempre inserindo a isso o elemento extra. Fazer isso na intensidade correta é o maior acerto de Tomas Alfredson.

Christophe Honoré

7 A Bela Junie
La Belle Personne, Christophe Honoré

Parece menos ambicioso do que os anteriores, embora seja uma adaptação atualizada do livro de Madame de La Fayette, mas é apenas um reflexo da coerência com seu universo principal, o de um grupo de jovens estudantes. Christophe Honoré desenha neles os futuros personagens de seus longas adultos. Seus dilemas e paixões surgem mais ingênuos e instintivos, mas não menos insinuantes.

Miguel Gomes

6 Aquele Querido Mês de Agosto
Aquele Querido Mês de Agosto, Miguel Gomes

Sem dúvida, o filme mais original a chegar nos cinemas neste ano. Miguel Gomes aposta na indefinição de formato para fazer uma mistura que estuda os limites entre documentário e ficção. A primeira parte, com ênfase na coleta de personagens, é genial, principalmente no equilíbrio entre o humor e o drama. A transição para o que deveria ser o filme em si, a historinha, perde um pouco, embora ganhe com as deliciosas canções. A resolução recupera o frescor original e o filme fecha com um inteligente e bem humorado momento de “discussão de relação” entre a equipe de filmagem. Realmente, um filme único.

Quentin Tarantino

5 Bastardos Inglórios
Inglourious Basterds, Quentin Tarantino

A conversa entre o fazendeiro e o coronel interpretado por um majestoso e impecável Christoph Waltz é uma daquelas clássicas sequências dos filmes de Tarantino. O texto, ultra-preconceituoso, é tão articulado (e bem interpretado pelos dois atores) que a teoria do nazista desce fácil. A sequência se encerra com mais um dos espetáculos tarantinescos de violência e uma fuga perfeita. O resto do filme é tão adorável quanto. Não deixa de ser curioso que seu filme mais formal seja, por razões outras, seu filme mais ousado.

Jose Eduardo Belmonte

4 Se Nada Mais Der Certo
Se Nada Mais Der Certo, José Eduardo Belmonte

Os protagonistas mergulham num mundo marginal, criminoso mesmo, mas suas integridades nunca são questionadas. Ao diretor, interessa como os protagonistas irão se aproximar, interagir e como seu mundo será representado e redefinido a partir disso. Unidos, eles redescobrem afetos e inventam para si uma nova “família”. É ela em que eles apostam e usam como plataforma e porto seguro. Esta “família” que se forma é a maior atitude política de Belmonte. É quando o cineasta dá um novo sentido ao “todos juntos somos fortes, não há nada a temer”.

Darren Aronofsky

3 O Lutador
The Wrestler, Darren Aronofsky

Não há uma só palavra no filme sobre a aparência de Randy. Mas é justamente este visual, o de um homem que abriu mão de todo o resto para investir na expansão de sua massa muscular, que motiva e justifica O Lutador. O filme só existe porque seu corpo decadente é reflexo de suas escolhas. E o personagem sabe muito bem disso. Randy é um homem consciente da exaustão de seu corpo, de sua decadência como atleta, que decide tentar preservar o que resta de sua carcaça.

James Gray

2 Amantes
Two Lovers, James Gray

Quando Leonard diz que ama Michelle, ele está provavelmente sendo tão sincero como quando beija Sandra pela primeira vez porque nada é tão simples assim nos filmes de Gray. Leonard, de certa forma, catalisa a complexidade de como o diretor enxerga o mundo. Embora nunca se afaste das vizinhanças, o personagem vaga pelo mundo após ser tirado do prumo e se dedica agora a buscar trilhos mais uma vez. Joaquin Phoenix é o maior suporte de Gray. Sem ele, Leonard provavelmente não seria tão complexo, tão bipolar no melhor sentido do termo. É a interpretação Phoenix que faz este ser o filme gigante que é.

Clint Eastwood

1 Gran Torino
Gran Torino, Clint Eastwood

Walt Kowalski representa a Velha América, mas não em tom saudosista ou celebratório. Pelo contrário. O personagem de Clint Eastwood é o de um homem que não tem o menor pudor de ser racista, que se alimenta do próprio rancor, um cara agressivo que vive do (e no) passado. É a Velha América, mas a Velha América falida, de orgulho ferido e refém do resto do mundo e do próprio passar do tempo, que a fez desmoronar. Gran Torino é o melhor presente que o velho Clint nos deu nesta década. Um presente simples, mas tão cheio de nuances escondidas que para percebê-las é preciso olhar com atenção.

P.S.: espero as listas de vocês.

P.S. 2: no dia 5, postarei os indicados para o Frankie, meu prêmio de melhores do ano (onde valem os filmes exibidos em circuito, em festivais e mostras).

Comentários

comentários

37 comentários sobre “Top 20: melhores filmes de 2009”

  1. aqui é minha lista dos melhores de filmes de 2009. 1-bastardos inglorios 2-avatar 3-star trek 4-guerra ao terror 5-up altas aventuras 6-gente engraçada 6-sherlock holmes 7-distrito 9-se beber não case 10-um segurança fora de controle

  2. Cara não me leve a mal, mas essa lista é muito fraca, ainda falta muito filme bom !

    Ex: Quem quer ser um milionário, Se beber não case, 007 Casino Royale, Sherlock Holmes, Código da vinci e muitos outros !!!

  3. Obrigada por não colocar Crepúsculo, parece que o cinema foi invadido por vampiros aborrecentes, ninguém merece. Saudade dos vampiros toscos e sanguinários que reinaram até os anos 80.

  4. olá pessoal, é a primeira vez q venho aki.
    bom, o q eu assisti e amei e acho q vejo de novo foram :
    bastardos inglorios
    o curioso caso de benjamim b.
    avatar _ otimos efeitos
    ilha do medo
    o misterio das 2 irmãs
    a orfã

    me desculpe se citei algum q não é de 2009.
    fote abraço a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *