Parque de diversões macabro

Há filmes que, menos por méritos cinematográficos (ou artísticos mesmo) e mais por importância na nossa história pessoal, ganham tremendo espaço em nossos corações cinéfilos. Filmes a que assistimos na infância ou adolescência; filmes que ocupavam nossas tardes e nos conquistavam porque, mesmo tão fantasiosos, nos pareciam tão próximos por serem tão hábeis em conquistar nossa imaginação. Vajam o caso de A Fantástica Fábrica de Chocolate, filme que Mel Stuart dirigiu no longínquo ano de 1971 e que se transformou num dos maiores clássicos da Sessão da Tarde, da TV Globo, na época em que a Sessão da Tarde exibia algumas pérolas. Este filme é um dos preferidos de toda uma geração. Geração da qual eu faço parte. Praticamente todas as pessoas da minha faixa etária que eu conheço amam este filme.

Menos eu.

Não que eu me sinta orgulhoso de estar à parte deste grupo e parecer, digamos, original. Meus motivos não são tão nobres. Eu não gosto de A Fantástica Fábrica de Chocolate tanto quanto meus amigos e colegas porque eu nunca consegui suportar Gene Wilder, seu protagonista. Não sei o que é. É meio difícil de entender. Reconheço o talento dele, especialmente para a comédia, mas nunca consegui olhar muito para a cara dele. Coisa de maluco mesmo. No entanto, essa condição, a de não estar preso a uma memória afetiva mais forte em relação ao longa, me dá uma postura diferenciada agora, quando o assunto é a refilmagem comandada por Tim Burton. O argumento de “nunca vai chegar aos pés do original” não significa nada para mim.

Primeiro, é preciso ressaltar: Tim Burton é um criador reconhecido, com obra facilmente identificada, um autor com universo de atuação delimitado, diferentemente de Mel Stuart. E o livro de Roald Dahl se encaixa perfeitamente neste universo. Burton, por sinal, já havia se aventurado em outro texto de Dahl na bela animação James e o Pêssego Gigante (1996), produzida por ele. Nesta nova incursão, o cineasta reprisa seus temas (sobretudo o que move seu cinema: o limite entre realidade e fantasia) sem perder uma gota do conceitual de sua obra. Pelo contrário, Burton serve tão bem ao livro quanto o livro serve a Burton.

A concepção visual, espetacular, mais uma vez parece ser o foco, mas é apenas uma arma do cineasta para cooptar a história para si. O diretor trata de, mesmo diante de uma obra de alcance infanto-juvenil, dar mais idade ao texto, ressaltando seus aspectos mais cruéis e mórbidos. Johnny Depp, que recentemente resolver assumir para sempre a afetação a suas interpretações (desde Pirata do Caribe a A Janela Secreta, passando pelo macabro Em Busca da Terra do Nunca), consegue se encaixar perfeitamente ao tom que Burton busca. Seu Willy Wonka é perturbado, agressivo, vingativo, impiedoso. A comparação com o Wonka de Wilder é impossível para mim. Diante disso, Depp está mais que satisfatório, está adequado.

O tom mais duro adotado por Burton, apoiado no psicótico criado por Depp, é o grande trunfo dessa versão. É quase um “pague para entrar, reze para sair”. Não posso me aprofundar em comparações, mas com um diretor mais perverso, o material parece funcionar melhor. A despeito das alusões pedófilas que muitos insistem em ver – que eu acho viagem pura -, a fábula recontada aqui é de redenção, cheia de lições de moral das mais simples, mas até chegar ao fim, as criancinhas sofrem um bocado.

A FANTÁSTICA FÁBRICA DE CHOCOLATE
Charlie and the Chocolate Factory, Estados Unidos, 2005.
Direção: Tim Burton.
Roteiro: John August, baseado no livro de Roald Dahl.
Elenco: Johny Depp, Freddie Highmore, David Kelly, Noah Taylor, Helena Bonham-Carter, Missi Pyle, James Fox, Deep Roy, Christopher Lee, Adam Godley, Franziska Troegner, Annasophia Robb, Julia Winter, Jordon Fry, Philip Wiegratz, Liz Smith, Eileen Essell, Nitin Chandra Ganatra, Shelley Conn, Chris Cresswell, Philip Philmar, Harry Taylor, Francesca Hunt.
Fotografia: Philippe Rousselot. Montagem: Chris Lebenzon. Direção de Arte: Alex McDowell. Música: Danny Elfman, com canções compostas por Roald Dahl musicadas por Elfman. Figurinos: Gabriella Pescucci. Produção: Brad Grey e Richard D. Zanuck. Site Oficial: A Fantástica Fábrica de Chocolate.

nas picapes: Lady Jane, The Rolling Stones.

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *