O oco do mundo

Afinal, sobre o quê é Provocação? Sobre um adolescente que descobre o sexo com uma mulher mais velha? Sobre uma mulher mais velha que transa com um adolescente que parece com o filho dela que morreu porque sua vida está muito triste e vazia e ela quer esquecer da tragédia de perder duas crias enquanto o marido escritor bonachão naturalista não dá a mínima para nada? Sobre um marido escritor bonachão que vive pelado e ganha a vida escrevendo suas metaforazinhas que lhe deram fama e prestígio como escritor de metaforazinhas enquanto usa esta fama para comer uma vizinha problemática e jogar seu charme sobre adolescentes desavisadas?

A resposta é não.

Provocação é prova cabal de que existe um cinema norte-americano muito interessado em tentar parecer arte misturando sexo + solidão + falta de perspectivas, mas que empaca na imensa ausência de discurso que termina em gratuidade numa dimensão desenvergonhadamente patética. Se a intenção era patetizar, palmas para Jeff Bridges, que nunca foi bom ator mesmo, mas que consegue uma interpretação tão ruim (sob o disfarce de que aquilo é bom, muito bom), que salva o filme do marasmo que impregna o texto, a direção, o elenco apático. O divertido é perceber como o ator consegue afundar mais e mais a cada cena, como se fizesse um elogio ao bizarro. E esqueceram de dar o texto a Kim Basinger ou de mandá-la fazer umas expressões faciais mais diferentezinhas (ah, não, é assim mesmo; ela até ganhou Oscar por fazer… nada!!!).

Mas, pensando bem, será que Provocação seria sobre isso, o nada? Pode até ser. Se for, o diretor Tod Williams, que escreveu a bagaça também (aliás, adaptou do livro daquele cara fraco, John Irving, que escreveu Regras da Vida, Lasse Haarghhhllström, 1999), fez um filme muito bom porque ele é sobre nada que tenta parecer tudo, mas não é nada mesmo. É sobre o vento, o céu, o mar, a Mimi Rogers com uma faca na mão ou a irmãzinha da Dakota Fanning (é mesmo!) como uma psicótica-mirim que não sabe viver sem as fotos dos amados irmãos que nunca conheceu. É a litertura barata metida-a-cabeça norte-americana fielmente traduzida para cinema barato metido-a-cabeça norte-americano. Uma bosta.

PROVOCAÇÃO
The Door in the Floor, Estados Unidos, 2004.
Direção e Roteiro: Tod Williams, baseado em livro de John Irving.
Elenco: Jon Foster, Jeff Bridges, Kim Basinger, Elle Fanning, Larry Pine, John Rothman, Harvey Loomis, Bijou Phillips, Mimi Rogers, Louis Arcella, Tod Harrison Williams, Carter Williams.
Fotografia: Terry Stacey. Montagem: Affonso Gonçalves. Direção de Arte: Thérèse DePrez. Música: Marcelo Zarvos. Figurinos: Eric Daman. Produção: Anne Carey, Michael Corrente e Ted Hope. Site Oficial: Provocação. Duração: 111 min.

Closer – Perto Demais (2004), de Mike Nichols.

Revi e me pareceu menos ruim. Na verdade, para fazer um mea culpa decente, a primeira meia hora do filme é muito boa, com cenas bem feitas (o encontro de Law e Portman, o sexo virtual e o aquário), mas o problema é justamente quando começam a aparecer os problemas. É ali que o texto pretende assumir a condição que narrador da condição humana nos relacionamentos amorosos. É ali que Jude Law se revela muito ruim, Julia Roberts apática, e que Owen e Portman, realmente bem melhor tratados pelo roteiro, se destacam porque ele assume bem o descontrolado inteligente que grunhe e ela, dona de um poder de sedução impressionante, consegue transitar especialmente bem entre o frágil e o lascivo. Mas o filme é o caso típico do texto que se pretende porta-voz, revelador, numa linha olha-o-que-tem-ali-atrás-da-porta. E tem aquela cena das putarias (faladas) que muita gente deve ter achado tão verdadeira – ainda mais que eram putarias ditas com o aval da Julia Roberts… E tem aquele clima de amor e sexo, verdades e mentiras, eu-te-amo-porra. O melhor: as passagens de tempo não são explicadas, não têm limites bem estabelecidos, o espectador é forçado a descobrir quanto tempo se passou, o que aconteceu. Mas isso dura pouco e logo temos que nos ver às voltas, mais uma vez, com aquele texto medíocre. Um filme sobre sexo que não tem sexo.

Agenda filmes do chico: sexta-feira, dia 12, a senhorita Ana Paul no Gosto dos Outros.

nas picapes: The Blower’s daughter, Damian Rice.

Comentários

comentários

29 comentários sobre “Provocação”

  1. Chico, ainda não vi “Provocação”, mas as críticas que tenho lido têm sido de razoáveis a boas. Devo conferi-lo hoje. Abraço.

  2. Número máximo de comentários, tempo máximo pra começar a “engavetar” os comentários… esse tipo de coisa… sabe, esse negócio de grátis e bom é meio esquisito (!).

  3. É que com o Haloscan eu conseguia ver todos os comentários feitos no seu blog via RSS… agora não, tenho que entrar em todos os posts e clicar em ‘comentários’, o que toma um tempo que não tenho 🙁

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *