[os melhores filmes dos anos 80]

1 Um Tiro na Noite (81), de Brian De Palma
2 Touro Indomável (80), de Martin Scorsese
3 O Rei da Comédia (83), de Martin Scorsese
4 Caçadores da Arca Perdida (81), de Steven Spielberg
5 Conta Comigo (86), de Rob Reiner
6 Fanny e Alexander (82), de Ingmar Bergman
7 O Iluminado (80), de Stanley Kubrick
8 Zelig (83), de Woody Allen
9 O Homem Elefante (80), de David Lynch
10 Os Intocáveis (87), de Brian De Palma

11 Blade Runner (82), de Ridley Scott
12 Uma Cilada para Roger Rabbit (88), de Robert Zemeckis
13 O Ilusionista (83), de Jos Stelling
14 Não Matarás (87), de Krzysztóf Kieslowski
15 Akira (88), de Katsuhiro Otomo
16 Cabra Marcado para Morrer (84), de Eduardo Coutinho
17 Os Vivos e os Mortos (87), de John Huston
18 O Fundo do Coração (82), de Francis Ford Coppola
19 When The Wind Blows (86), de Jimmy R. Murakami
20 Black Rain, a Coragem de uma Raça (89), de Shohei Imamura

21 Memórias (80), de Woody Allen
22 Veludo Azul (86), de David Lynch
23 O Selvagem da Motocicleta (83), de Francis Ford Coppola
24 Depois de Horas (85), de Martin Scorsese
25 E.T. – O Extraterrestre (82), de Steven Spielberg
26 Paisagem na Neblina (88), de Theo Angelopoulos
27 Nascido para Matar (87), de Stanley Kubrick
28 A Noite de Varennes (82), de Ettore Scola
29 Asas do Desejo (87), de Wim Wenders
30 Adeus, Meninos (87), de Louis Malle

Considerados: O Baile (83), de Ettore Scola + Ran (85), de Akira Kurosawa + E La Nave Va (83), de Federico Fellini + A Hora da Estrela (85), de Suzana Amaral + Bagdad Café (88), de Percy Adlon + A Noite de São Lourenço (82), de Paolo e Vittorio Taviani + Drugstore Cowboy (89), de Gus Van Sant + Vidas Sem Rumo (83), de Francis Ford Coppola + Sangue Ruim (86), de Leos Carax + A Rosa Púrpura do Cairo (85), de Woody Allen + Paris, Texas (84), de Wim Wenders + O Cão Branco (82), de Samuel Fuller + Videodrome (83), de David Cronenberg + O Retorno de Jedi (83), de Richard Marquand.

Comentários

comentários

29 comentários sobre “Top anos 80”

  1. concordo com o comentário acima na parte que diz “arrogância”. incrível como esses pseudo-intelectuais conseguem ser tão chatos.

  2. E daí que escreveu livros? Isso dá a ele o direito de tripudiar do gosto alheio e acreditar ser o seu gosto superior porque analisa filmes em perspectiva semiológica, marxista, globística, furadística, balelística e tantos outros adjetivos? Foi um comentário extremamente arrogante – e, pior, tentou depois relativizar as coisas, mas só as piorou.

  3. Independentemente do que você já batiza de opinião pessoal, o que inviabilizaria comentários contrários, dizer que “sem querer desmerecer De Palma, Um Tiro na Noite não é grande coisa”, posso dizer duas coisas: 1) esta frase já desmerece o diretor, sim; 2) você precisa rever o filme (opinião pessoal).

    Por fim, você diz que “se não foi proposital desse site emitir um suposto comentário por um anônimo”… Como assim “se”? Os comentários não são “emitidos” pelo blogue, como essa frase fez parecer.

    Tenho muito respeito pelo Moacy Cirne e por qualquer um que pise por aqui. Meu único questionamento é sobre a palavra “estranhar”. Se ele tivesse usado um “não concordo com esta lista”, “não gostei”, se tivesse dito que a “lista é ruim”, “é meia-boca”, eu entenderia. Mas como “estranhar” se a lista é de uma outra pessoa? Por que estranhar? Há algo de suspeito nela?

  4. Também senti falta de muitos filmes que na minha concepção e visão possuem alto valor artístico. Sem desmerecer Depalma,mas um tiro na noite, não é lá grande coisa (opinião pessoal). Concordo em vários pontos com Moacy Cirne, o cara realmente entende de cinema, e para aqueles que não o conhecem devo dizer-lhe que o cara e escritor (li seu livro no CCBB), conhece bem a cultura do seu país e é sempre requisitado para emitir listas de filmes. Acho que se não foi proposital desse site emitir um suposto comentário por um anônimo para ofender ou diminuir o comentário de outros devo dizer que a ignorância e covardia são os adjetivos básicos para o retrocesso cultural. Afinal creio que o objetivo é discutir cinema e analisar a diversividade de pontos de vistas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *