Boyhood

O recurso narrativo mais comum quando um cineasta resolve contar “a história de uma vida” é a catarse. É ela que amarra a trajetória da personagem, pontua seus grandes momentos e ajuda a determinar sua personalidade. Numa obra tão peculiar como Boyhood, filme idealizado e realizado por Richard Linklater ao longo de doze anos, com os mesmos atores interpretando os mesmos papéis, envelhecendo diante das câmeras, seria muito natural que a catarse fosse a espinha dorsal do projeto para justificar os caminhos do protagonista e do próprio filme, que pela própria natureza já traz embutido um tom épico.

Mas Linklater, o cineasta do diálogo, tinha outros planos para aquele que talvez seja “o projeto de uma vida”. Não há grandes cenas em Boyhood. Pelo menos não no conceito clássico do que seria uma “grande cena”. Não há momentos fundamentalmente emocionais que marcam a história do garoto Mason, que entreguem o personagem para a próxima etapa de sua vida. Festa de aniversário, separações e formaturas são menos importantes do que o dia-a-dia. O diretor trabalha essencialmente com o microcosmo familiar do garoto, lançando o foco muito mais em sua relação cotidiana com os pais, a irmã e o mundo a sua volta do que numa história retrancada, que pontuasse os fatos mais importantes de sua vida.

Abrir mão de um recurso tão hábil numa biografia, ainda que numa biografia de um personagem fictício, é só mais um golpe de coragem de Linklater numa obra que, de tão arriscada, só foi “descoberta” no ano passado, quando os trabalhos já estavam praticamente concluídos. A cada ano, nos últimos doze anos, o cineasta reuniu o mesmo elenco para gravar uma sequência que dava continuidade à história do protagonista. Foi preciso 1) ajustar as filmagens às agendas de Ethan Hawke e Patricia Arquette; 2) lidar com o fato de que sua filha, Lorelei, que interpreta a irmã de Mason, chegou a desistir de ser atriz e pediu para que sua personagem fosse eliminada do filme, e 3) se adaptar a um protagonista inexperiente que teria que submeter ao projeto por mais de uma década: Ellar Coltrane foi escolhido aos 5 anos para um trabalho de onde só saíria aos 18.

Os risco eram grandes, mas acompanhar o envelhecimento de Ellar na tela cria uma cumplicidade inédita entre personagem e espectador, independentemente do carisma do garoto, que se modifica ao longo das filmagens, e do talento nada excepcional do ator. Michael Apted já havia feito algo parecido com sua Up Series, em que registra os mesmos personagens por quase 50 anos. Mas Apted fez isso em filmes diferentes e trabalhando com personagens reais. Boyhood até tem bastante de documentário, mas é essencialmente uma história de ficção, um artifício, o que de certa forma dá maior controle ao diretor sobre os rumos a seguir, mas também o expõe a fragilidade do filme diante de qualquer possibilidade de interferência externa.

Mirando nas cenas do dia-a-dia, nos diálogos que vão se perder na memória – porque a memória prefere os grandes tópicos -, Linklater nos oferece a intimidade de ver alguém crescer. Mason (ou Ellar) é como nosso irmão ou o amigo de toda a juventude, aquele a quem acompanhamos a vida inteira.  As transformações f’ísicas do garoto vêm junto de sua formação emocional. O ritmo que o diretor adota é algo bem próximo do ritmo da vida. A direção de atores é naturalista. Patricia Arquette, que faz a mãe de Mason, nem parece estar interpretando e Ethan Hawke, parceiro de longa data de Linklater, está bem à vontade como pai liberal, meio riponga e boa gente. Ambos fogem de qualquer arquétipo (pai ausente, mãe dominadora, etc). O conflito está nos detalhes.

Boyhood parece buscar a emoção genuína e ela, para Linklater, não passa necessariamente por cenas lacrimosas nem se apóia em curvas dramáticas com efeitos colaterais. A cena final da mãe, extremamente realista, prova como o diretor subverte as regras. O choro vem sem maniqueísmo, sem cálculo. O sentimento real, parece dizer o diretor, está na identificação com Mason, que ressalta a humanidade (ou as humanidades) da personagem e do espectador. Essa recusa pelo modelo mais tradicional, e consequentemente mais fácil, limita o lirismo em potencial do filme. Boyhood não é o filme “lindo” como estamos acostumados a ver. A beleza está muito mais no segundo plano. É preciso alcançá-la. A questão, para o cineasta, parece ser: por que usar de artifícios quando o ser humano já é demasiadamente interessante?

Boyhood EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[Boyhood, Richard Linklater, 2014]

Comentários

comentários

Um pensamento sobre “Boyhood”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *