Era o dia 29 de janeiro de 2003. Eu, recém-saído de São José dos Campos, numa época de uma crise pessoal fodida na minha vida, usava o computador do meu amigo Guilherme Lamenha, na casa dele, em São Paulo, para criar o [filmes do chico]. A idéia de ter um espaço onde eu fosse escrever sobre cinema me parecia muito metida à besta. Dois meses antes, eu, depois de muito relutar, tinha aberto um blogue pessoal chamado Universos Paralelos, encerrado há um bom tempo, onde eu já fazia alguns comentários sobre filmes, algo que sempre me interessou, mas ter um bloco de anotações sobre cinema online e acessível a todos era bem assustador. Minha visão foi mudando devagar. Aos poucos, fui descobrindo páginas pessoais que abordavam temas específicos, inclusive o cinema.

Foi assim que eu cheguei aos pioneiros: o Cinema Cuspido e Escarrado, do Marcelo V., uma das primeiras encarnações do antigo The Bridge, do Tobey, an Acer, o hoje desativado Filmes GLS ou Quase, do Egídio La Pasta Jr., e aquele que talvez seja o grande blogue de cinema do Brasil, Diário de um Cinéfilo, do Ailton Monteiro. Freqüentando estes endereços, e mais alguns outros que falavam não somente mas também de cinema, como o The Way Things Are, do Teco Apple, eu tomei coragem e resolvi fazer a minha página, que começou simples, mas com muita empolgação. O ritual de assistir a um filme e escrever sobre ele aqui era delicioso e me animava a atualizá-la cada vez mais. O tempo foi passando e, quando eu vi, já morava em Salvador quando meu blogue fez um ano de vida. A essa altura, aqui mesmo eu propus a criação da Liga dos Blogues Cinematográficos, uma brincadeira que hoje me dá muito orgulho pelo tanto que mobiliza esta blogosfera cinematográfica.

Com a convivência, os comentários me trouxeram parceiros, colegas e – por que não? – amigos. Pessoas que, cada uma a seu modo, fazem parte do meu dia-a-dia, das minhas conversas no MSN, das calorosas discussões na lista da liga, dos debates nos próprios blogues. Do Ceará ao Rio Grande do Sul, gente que gosta de cinema achou aqui no meu blogue um ponto de encontro. Foi aqui que eu conheci o Roger lá do Mato Grosso, a gauchinha Fer Funchal e o goiano Layo, e é por causa desta página que eu me bati com o Milton do Prado de lá de Montreal, no Canadá. Hoje, ele, o Guilherme Martins e o ligado-na-tomada Mateus Nagime são parceiros na organização da Liga, assim como outra grande nova amiga, a Ana Paul. E foi aqui que eu terminei conhecendo também o grande Michel Simões, o Tiago Superoito, melhor texto de cinema na internet, o Diego Maia, amigo desde o começo, Sérgio Alpendre, a simpatia em pessoa, e os meninos-prodígio Rudá Lemos, Ed, Samuel L., o Buzz, Guga Valente e Rodrigo Pierre.

Quem freqüenta esse blogue conhece minha passionalidade e minha psicopatia por listas. Então, segue mais uma só com filmes que entraram para a minha vida durante estes quatro anos:

O Céu de Suely, de Karim Aïnouz.
Quando eu tive certeza de que não era só eu.

Elefante, de Gus Van Sant
Não é a vida e todas suas formas e possibilidades?

O Novo Mundo, de Terrence Malick.
Eu vi meu assustador poder de adaptação.

A Dama na Água, de M. Night Shyamalan.
Quando eu me desprendi da minha (pequena) parte de adulto.

Antes do Pôr-do-Sol, de Richard Linklater.
Romântico, ainda.

Reis e Rainha, de Arnaud Desplechin.
Para ter certeza de que se está vivo.

Marcas da Violência, de David Cronenberg.
O conforto de ter para onde voltar.

O Pântano, de Lucrecia Martel.
Ou a dificuldade para emergir.

Clean, de Olivier Assayas.
Para não esquecer que depois da morte vem a ressurreição.

O Segredo de Brokeback Mountain, de Ang Lee.
O particular que é muito maior.

E, pra reprisar o ano passado, sempre me dá vontade de repetir muitas vezes obrigado pela companhia para o William Wilson, LeoN, Eduardo Miranda, Vebis, Demas, Leo Mecchi, Moacy Cirne, Fabrício K., Peerre, Filipe Furtado, Janzinha, Antonio Saints, Carlos Massari, Daniel Pilon, Christopher, Wallace Guedes, Tata, Chiko, Rodrigo Azevedo, Ronald Perrone, Thomaz, Bruno Reame, Davi & Iris, Felipe Leal, Felipe Sudo, Walrus, Renato Silveira, André de Leones, Camila Vieira, Alexandre Inagaki, Takeo, Marcelo Miranda, Francis Vogner, Gabriel Carneiro, Miura, Paulo Jr., Pips, Tisf, Marvin, Marlonn, Marfil, LFM, Marlos, Harry Maddox, Julio Bezerra, Lucian Chaussard, Wilson, Marcos A. Felipe, Hudson, César Oliveira, Beto Almeida, Tatica, Rafael, Vitor, Lemuel, Ernesto, Carol, quem eu esqueci de citar e quem nunca deixa comentário.

Comentários

comentários

46 comentários sobre “Filmes do Chico, quatro anos”

  1. Cara, quatro anos! haja pique! Desde já ficam aqui os meus parabéns (a minha caverna está pra completar um ano agora dia 19 e eu já acho muito coisa). Da sua lista colocada no post destaco Cronenberg e Mallick. Elefante é extraordinário (estou curioso para ver Last Days, o tal filme baseado na vida de Kurt Cobain). O céu de Suely – apesar de ter visto atrasado – é majestoso. Chico, desejo sorte na sua caminhada (manter um blog tant tempo ativo exige muito sacrifício e paciência). Abraços do crítico da caverna.

    (http://claque-te.blogspot.com): Apocalypto, de Mel Gibson.

  2. Parabéns atrasado, Chico (é estranho como costumo atrasar nos parabéns). Quatro anos de blog (e de um blog que eu considero bom demais da conta) não é pouca coisa. Merece comemoração sem dúvida nenhuma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *