Distrito 9

Distrito 9 é o caso clássico do filme cuja expectativa antecipa avaliações. O longa de estreia de Neill Bloomkamp, um até então desconhecido, ganhou o status que tem por ser uma alegoria sobre segregação racial, preconceito étnico e atacar a indústria bélica. Essas características, somadas a um caprichado trabalho de concepção visual, seja na direção de arte, sejam nos efeitos, realmente concedem um grande diferencial ao filme, produzido com dinheiro neo-zelandês e sul-africano, mas que terminam deixando escondidos dois de seus principais feitos.

O fato é que, além de sua potente crítica a nossa sociedade, o filme nunca nega sua natureza de deliciosa aventura de ficção-científica com um punhado de momentos memoráveis e um humor nigérrimo, especialmente em seu primeiro terço. O trabalho de fotografia, documental, evoca Cloverfield e outros “filmes-verdade”. Mas seu maior diferencial talvez seja apresentar um personagem de comportamento completamente questionável e, depois do espectador criar repulsa por ele, dizer: “este aqui é o herói que você tem; é pegar ou largar”. Sharlto Copley, muito à vontade no papel, consegue dar a textura necessária ao protagonista.

Distrito 9 EstrelinhaEstrelinhaEstrelinhaEstrelinha
[District 9, Neill Blomkamp, 2009]

Comentários

comentários

66 comentários sobre “Distrito 9”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *